O que estamos fazendo com o nosso Pantanal?


Por Sacha Arielle Branco

24/09/2020 14h26 - Atualizado em 24/09/2020 14h26



Cuidador mostra feridas de queimadura nas patas de uma onça-pintada adulta (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Olá, espero que todos estejam bem quando lerem essa coluna!

 

Desde que comecei esta coluna sempre tratei de questões ambientais. Conversamos sobre fraldas ecológicas, sobre pesquisas em universidades, sobre plantas medicinais, sobre Pancs (Plantas Alimentícias Não Convencionais) e vários outros temas que nos ajudam a entender como utilizar os recursos naturais sem agredir o meio ambiente. Mas o que eu tento neste espaço, principalmente, é conscientizar quem lê o que eu escrevo que nós somos parte de um todo. A natureza não nos serve, não somos mais ou maiores que o meio ambiente, nós somos apenas mais uma espécie deste planeta.

 

Tendo em vista tudo isso, não posso ficar mais tempo calada. Precisamos entender o que está acontecendo no Pantanal. Recebemos notícias de todos os lados sobre este assunto. E geralmente eu fico muito sensibilizada e não consigo conversar abertamente sobre, mas não posso me omitir. Vamos começar conversando sobre os números.

 

No momento o incêndio atinge três biomas, mas afeta principalmente o bioma pantanal está com mais de 16 mil focos de incêndios. O fogo já destruiu 21,2% do bioma – e entenda aqui que morreu planta, onça, cobra, jacaré... Uma infinidade de espécies – isto equivale a três milhões e 179 mil hectares.

O Pantanal já perdeu cerca de 21,2% do seu território total (Gustavo Basso/NurPhoto/Getty Images)

Mas por que o Pantanal é importante? Vamos lá! Se procurarmos no site do Ministério do Meio Ambiente nós encontraremos a seguinte definição:

 

“O bioma Pantanal é considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta. Este bioma continental é considerado o de menor extensão territorial no Brasil, entretanto este dado em nada desmerece a exuberante riqueza que o referente bioma abriga. A sua área aproximada é 150.355 km² [150 mil e 355 quilômetros quadrados] (IBGE,2004), ocupando assim 1,76% da área total do território brasileiro. Em seu espaço territorial o bioma, que é uma planície aluvial [superfície bastante plana], é influenciado por rios que drenam a bacia do Alto Paraguai.

O Pantanal sofre influência direta de três importantes biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. Além disso, sofre influência do bioma Chaco (nome dado ao Pantanal localizado no norte do Paraguai e leste da Bolívia). Uma característica interessante desse bioma é que muitas espécies ameaçadas em outras regiões do Brasil persistem em populações avantajadas na região, como é o caso do tuiuiú – ave símbolo do Pantanal. Estudos indicam que o bioma abriga os seguintes números de espécies catalogadas: 263 espécies de peixes, 41 espécies de anfíbios, 113 espécies de répteis, 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos sendo duas endêmicas [restrito a determinada região geográfica]. Segundo a Embrapa Pantanal, quase duas mil espécies de plantas já foram identificadas no bioma e classificadas de acordo com seu potencial, e algumas apresentam vigoroso potencial medicinal.” 

Um jacaré morto é fotografado em uma área que foi queimada em um incêndio no Pantanal. (Foto:Amanda Perobelli/Reuters)

Ou seja, o bioma que está pegando fogo neste momento é único, não tem nenhum outro bioma que se assemelhe ao Pantanal, a maior área alagável do mundo!

 

Vamos conversar sobre o que começou isso tudo?

 

Incêndios costumam ocorrer de forma natural na época da seca, mas nunca em proporções gigantescas como esta de 2020. A Polícia Federal investiga cinco fazendeiros pecuaristas de Mato Grosso, estado do Centro-Oeste, que podem ser os culpados por essa proporção do incêndio. E como a Polícia Federal pode saber quem é? Existem satélites que captam as ondas de calor e é possível identificar que lá em 20 de julho as ondas de calor sobre estas cinco propriedades estavam gigantes. Mas, por que essas pessoas colocariam fogo nas próprias propriedades? Infelizmente essa é a maneira mais fácil de renovar o pasto para o gado.

 

Sim pessoal, se você como carne desenfreadamente fique atento, você pode estar contribuindo para que esse incêndio aconteça, que tal diminuirmos o consumo diário de carne? Ou pelo menos verificarmos a procedência da carne que consumimos?   Podemos pesquisar na internet de onde vem o produto de tal empresa, você deve ter um frigorífico de preferência, investigue se ele não está participando desta destruição.

 

Além de reduzir o consumo e tomar consciência de onde vem o que comemos e o que esse alimento causa até chegar ao nosso prato, podemos ajudar com doações para instituições sérias que estão salvando o que resta do Pantanal, existem muitos biólogos que estão tratando onças com patas queimadas, jacarés desidratados…

 

Espero que vocês tenham ganhado um pouco mais de consciência ambiental com essa coluna e que contribuam de uma maneira ou outra para salvar o que resta do Pantanal!

 

Fiquem bem, até a próxima coluna.

 

(Foto:Amanda Perobelli/Reuters)

Sacha Arielle Branco

Nascida e criada no Oeste catarinense. Bióloga, apaixonada por plantas, e mestranda em Biologia de Fungos, Algas e Plantas pela UFSC. Falará sobre temas ambientais diversos de modo simples e descontraído, com a intenção de fazer o leitor pensar sobre temas importantes ligados ao meio ambiente.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.