Taxa Selic e inflação, sabe como afetam você?


Por Josieli Pereira

16/06/2020 09h43


Olá, vamos conversar um pouquinho sobre taxa Selic e inflação?

 

Também chamada de "taxa básica", a taxa Selic a cada 45 dias vira notícia em todo o Brasil – seja por ter aumentado, diminuído ou se mantido estável, isso porque ela é definida a cada reunião do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central. Em maio de 2020, por exemplo, ela ficou definida em 3% ao ano. Mas você sabe o que é a Taxa Selic e como ela afeta a sua vida?

 

Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. Basicamente, ela influencia todas as demais taxas de juros do Brasil, como as cobradas em empréstimos, financiamentos e até de retorno em aplicações financeiras. É a sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, um programa totalmente virtual em que os títulos do Tesouro Nacional são comprados e vendidos diariamente por instituições financeiras.

 

Como vimos, a taxa Selic regula o custo de se emprestar dinheiro no país. Quando a taxa está muito alta, o custo de empréstimos e financiamentos também aumenta, o que desestimula o consumidor a contrair esses produtos. Assim, o consumo diminui e, por sua vez, a inflação tende a cair. Ou seja, a taxa de juros tem relação direta com a taxa de inflação no Brasil.

 

A inflação é tida como uma das maiores vilãs da economia, pois ela corrói o valor do dinheiro, inflação é o aumento generalizado dos preços. Imagine que você guardou hoje R$ 100 na gaveta e um ano depois você volta para pegar o seu dinheiro, vamos supor também que dentro desse um ano a inflação esteja próxima de 2%, isso significa que as coisas estão custando 2% mais caro e o seu dinheiro esta valendo 2% a menos, ou seja, o mesmo objeto que você compraria com R$ 100, agora você precisaria de R$ 102.

 

Os ajustes feitos na taxa Selic para baixo, a reduzindo, é praticamente colocar “óleo nas engrenagens” da economia.  Ao baratear o custo dos empréstimos e financiamentos, deseja-se fazer o dinheiro circular, estimulando a atividade econômica reagir, assim as pessoas tendem a comprar mais. Porém, a baixa da Selic faz com que o rendimento de aplicações de renda fixa também diminua. Para quem aplica seu dinheiro na caderneta de poupança, por exemplo, com a taxa Selic baixa pode ter seus rendimentos menores que a inflação. Seguindo o exemplo citado anteriormente para quem guardar R$ 100 na poupança durante um ano, contando que a taxa Selic se mantenha em 3%, terá um rendimento aproximado de R$ 1,77, totalizando um valor de R$ R$ 101,77. Se permanecermos supondo uma taxa de inflação de 2% a.a., como explicado anteriormente, objetos que custavam R$ 100 agora custariam R$ 102, isso quer dizer que após um ano deixando seu dinheiro guardado, você não conseguira comprar o mesmo produto, onde teria uma perda de dinheiro.

 

Conseguiu entender um pouquinho mais sobre a taxa Selic e sobre a inflação? Sinta-se à vontade para participar, comentando aqui embaixo suas duvidas e sugerindo novos temas, sem dúvidas, ajudará no desenvolvimento das próximas colunas. Até a próxima!

Josieli Pereira

Graduada em Matemática e estudante de Gestão Financeira. Tenho 25 anos de idade e aproximadamente há cinco trabalho com sistema financeiro. Falar e estudar sobre educação financeira sempre foi como um hobby. Acredito que este tema, mesmo longe da maioria das escolas, continua transformando vidas. Venho de família humilde, que desde muito cedo ensinou que com trabalho e planejamento podemos conquistar grandes sonhos.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.