Mudanças radicais para melhor: algumas já estão acontecendo e dando sinais


Por Jaime Folle

01/05/2020 11h39 - Atualizado em 02/05/2020 13h54


Que mudanças virão? Antes, havia muito conflito entre as pessoas, e gerava muitas dúvidas em saber o que fazer? O que comprar? Onde investir e como investir? Em saber se viajava ou se guardava o dinheiro? Em saber se deveria casar ou ficar solteiro? Se moraria com a família ou sozinho? E daí veio a pandemia e com ela a quarentena, forçando as pessoas a testarem certas situações que poderão gerar profundas mudanças no comportamento delas e no comércio em geral.

 

Algumas já estão acontecendo e dando sinais, como as leis da falsa segurança trabalhista, que não permitiam que um empresário ligasse ou mandasse uma mensagem pelo celular para um funcionário em um domingo ou feriado, pois se fizesse isso, geraria uma ação trabalhista, por ter usado seu funcionário em seu sagrado tempo de descanso.

 

No comércio, vai haver uma profunda mudança de postura e visão de futuro, onde os velhos costumes de ir às compras ficarão restritos para aquelas gerações acima de 50 anos, que dificilmente deixarão de ir até o local do mercado para comprar seus produtos. Já as novas gerações abaixo de 30 anos, muitos já não queriam antes sair de casa nem para comprar e muito menos para trabalhar, vai acontecer que após a pandemia é que não sairão mesmo.

 

Para as novas as compras acontecerão quase na sua totalidade em casa e a grande maioria das empresas que não necessitam da presença física de seu funcionário migrarão para que eles permaneçam em seus lares para trabalhar, com isso, diminuiria drasticamente os custos.

 

Com a experiência da quarentena, até os clientes mais velhos estão gostando do conforto da casa, e os donos de comércio mais atentos já  entenderam que precisam reinventar suas atividades, tipo agregar valor ao produto, de compra e venda com os clientes preferindo mais serviços a distância do que presenciais, principalmente, entre as gerações mais novas, por isso é importante os pequenos comércios se avivarem neste sentido, sob pena de perderem parte de seus clientes usando canais de atendimento on-line.

 

A partir de agora quase todo mundo vai ser www ponto alguma coisa. Precisamos ter duas lojas, uma aberta para a rua, para atender ainda a camada da população acima de 50 anos, e outra com as portas para o satélite, para atender aquela camada que não prefere sair de casa.

 

O resgate da família que andava agonizando também vai mudar para melhor. As pessoas serão mais humanas e menos técnicas, percebendo a importância da família na vida de cada um, com ela também o resgate do convívio social, amizade, amor e compreensão uns com os outros. Que bom!

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.