Atitudes financeiras perante a crise


Por Josieli Pereira

06/04/2020 09h47 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Trabalho interrompido, recomendações de ficar em casa, desligamento que algumas empresas precisaram optar, profissionais liberais ou autônomos que tiveram que diminuir o seu ritmo de trabalhar e estão com dificuldades de trabalhar. Todas as categorias têm sim motivos para se preocupar, pois se encontram com a renda comprometida.

 

Na teoria, quando isso acontece, o planejamento financeiro nos diz que precisamos reduzir o nosso padrão de vida e nos adaptarmos a esse novo contexto. Porém, na prática, existem muitos compromissos já assumidos que não permitem a tal suspenção ou cancelamento, nesse caso, NEGOCIE. Entre em contato com o cedente, com a instituição financeira, com o profissional que está do outro lado e é importante que esse contato seja feito assim que identificada tal situação. Suspenção de pagamento contando que movimentos pós-crise o defenda para não haver cobranças de juros, ou ainda que seu nome não seja incluído em um cadastro de negativação é um pensamento retrógrado. Lembre-se que crises passam e você precisa manter a integridade financeira, isso você pode preservar durante ou não situações difíceis.

 

O mercado vem oferecendo algumas opções para te ajudar a resolver tais situações. Temos dois casos que podem ser analisados: A prorrogação de financiamentos, empréstimos ou afins, que é sim uma boa opção. Nesse caso, o contato precisa ser feito entre você e a instituição para saber quais os procedimentos a serem realizados, continue priorizando contatos por meios eletrônicos; E o segundo caso é contratar alguma linha de crédito, e caso você precise utilizar tal recurso, tenha certeza do valor que precisa, analise o comprometimento de renda futura e não utilize para aquisição de supérfluos, resolva situações impossíveis de serem adiadas e apenas adquira produtos e serviços essenciais.

 

Caso você tenha uma reserva de emergência ou seus recursos sofreram apenas uma redução, priorize seus gastos básicos e realize os pagamentos necessários para que a situação de mantenha em equilíbrio.

 

Esse momento nos pede conscientização. Vivemos em círculo e um depende do outro, o mercado financeiro é um ambiente por onde circula o capital, onde se compra e vende mercadoria e serviço, onde empréstimos e aluguéis são contratados, onde credores e devedores atuam. Tenha empatia com todos, independentemente da categoria. Vivemos uma crise na saúde, na economia e não devemos deixar que essa crise se estenda aos relacionamentos.

 

Obrigado pela leitura, fique a vontade para participar aqui nos comentários, sua opinião e sugestão têm muita importância. Vamos juntos ao progresso coletivo.

 

Até a próxima!

Josieli Pereira

Graduada em Matemática e estudante de Gestão Financeira. Tenho 25 anos de idade e aproximadamente há cinco trabalho com sistema financeiro. Falar e estudar sobre educação financeira sempre foi como um hobby. Acredito que este tema, mesmo longe da maioria das escolas, continua transformando vidas. Venho de família humilde, que desde muito cedo ensinou que com trabalho e planejamento podemos conquistar grandes sonhos.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.