Envelhecer para o passado e se renovar para o futuro


Por Jaime Folle

06/03/2020 10h25 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



“O dia mais feliz da vida de um homem ou de uma mulher é o dia em que seus filhos nascem. E o pior dia é quando precisamos mais deles do que eles da gente”.

 

É nesta forma que percebemos que estamos envelhecendo, quando pensamos e comentamos mais naquilo que fizemos ontem do que temos que fazer amanhã.

 

Foi pensando assim que resolvi escrever nesta semana sobre um dado estatístico que está aumentando cada vez mais e que poderá mudar a trajetória na vida de 60% dos brasileiros em menos de dez anos. Também para que você não se sinta mal quando acontecer com você o que está escrito acima em que milhões de pessoas que chegaram ao patamar dos 70 anos a mais já estão sentindo.



Diante dessa realidade, é importante entender o que isso representa do ponto de vista das políticas públicas e que tipos de desafios o Brasil terá de enfrentar nos próximos 50 anos. Será que estamos preparados? Como estamos nos organizando para cuidar de nossos idosos? Será esse o maior desafio do século XXI?

 

“A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer”, já dizia o músico Arnaldo Antunes ao cantar, em 2009, a música “Envelhecer”. A canção fala com leveza, ironia e bom humor sobre a chegada da velhice – realidade cada vez mais comum no mundo e, principalmente, nos países em desenvolvimento, como no caso do Brasil. É o que revelam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2030, uma grande parcela da população brasileira será de idosos com mais de 60 anos. Hoje são 20,6 milhões de idosos, o que já representa 10,8% da população.

 

Se quer saber os sintomas da idade é quando começa a ouvir de alguém esta frase: o meu problema são as dores que sinto nas juntas, o resto está tudo bem, me sinto um jovem.

 

A melhor forma de esquecer as dores nas juntas é não deixar envelhecer o seu trabalho e as atividades que realiza diariamente. Às vezes, precisa também se indignar com as coisas, discutir política, falar de economia, religião, bater de frente com a realidade que lhe incomoda do que pensar em doenças e mazelas da idade. Tudo isso vai fazer a idade parecer distante e, desta forma, estará evitando comentar mais o que fez no passado e sim o que fará no futuro, pois ninguém ama tanto a vida como alguém que está envelhecendo para o passado e se renovando para o futuro.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS