Impaciência: como o tédio passou a ser algo evitado na atualidade


Por Geovana Rossetto

24/01/2020 09h15 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Olá, Pessoal!

 

Chamo-me Geovana Rossetto, sou psicóloga, especialista em Psicopatologia! Atuo na área desde a minha formação e amo demais tudo o que envolve o mundo da Psicologia! Aliás, é um mundo complexo, porém, fascinante!

 

Estarei aqui para trazer vários assuntos sobre Saúde Mental para que possamos refletir.

 

Hoje, vou falar um pouquinho sobre a Impaciência!

 

Vocês já perceberam como o tédio passou a ser algo evitado na atualidade? Ficar sem ter o que fazer passou a ser um problema para muitas pessoas.

 

Basta recordar as viagens de carro que fazíamos na infância. Passávamos horas sem ter com o que nos ocupar, aliás, nos ocupávamos apenas com nossos pensamentos e contemplando as paisagens.

 

Hoje, ao viajar com uma criança, nos precavemos com inúmeras distrações: brinquedos, tablet, celular, com inúmeros jogos e vídeos.

 

As crianças são “poupadas” do tédio, evitando assim que fiquem impacientes e entediadas, e isso se estendeu aos adolescentes e aos adultos também.

 

A maioria das pessoas está sempre correndo de um lado para outro, cheias de afazeres e em constante movimento, assim, esperam que tudo e que todos também andem depressa. Qualquer ritmo lento gera a impaciência.

 

Sabe-se que a falta de paciência e de tolerância provoca vários prejuízos, desde dificuldade nos relacionamentos interpessoais até mesmo na qualidade de vida.

 

Precisamos ser pacientes, com nós mesmos, com as pessoas ao nosso redor e com as circunstâncias da vida.

 

A paciência nos dá autocontrole, que é a capacidade de parar e usufruir plenamente o momento presente.

 

Assim, sugiro que proporcionem a vocês momentos onde possam experimentar contemplar o prazer da própria companhia, exercitando o domínio de seus pensamentos e emoções e desfrutando com tranquilidade e paciência cada momento da vida.

 

Sempre que precisarem, entrem em contato! Contem comigo!

Geovana Rossetto

Psicóloga, Pós-Graduada em Psicopatologia pela Unoesc Xanxerê. Está aqui para falar sobre emoções, sentimentos, comportamentos, enfim, sobre diversos assuntos que envolvem Saúde Mental e qualidade de vida.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.