Precisamos falar sobre a Aids


Por Lucas Tarlé

16/12/2019 09h19 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Pode ter passado despercebido por você, mas dia 1º de dezembro foi o dia mundial da luta contra a Aids. Por que será que precisamos de um dia para nos lembrar dessa doença?

 

Queria começar por quem causa essa doença. Ela é causada por um vírus, um microrganismo que entra nas nossas células e começa a se reproduzir.

 

"Ué, virose?!"

 

É uma virose sim, mas com características próprias, não é nem da mesma família dos vírus do resfriado. Ele é chamado de HIV, sigla inglesa para vírus da imunodeficiência humana e, como sugere o nome, ele causa deficiência no sistema de defesa do nosso corpo, atacando células importantes que nos protegem de infecções.

 

Algumas características fazem dele algo bem preocupante. Para começar, quando ele entra no corpo, demora bastante para causar sintomas que chamem atenção, vai aos poucos se reproduzindo e destruindo as células de defesa. Então sem você saber, pode passar esse vírus para outras pessoas durante todo esse tempo de poucos sintomas. Têm pacientes que ficam até dez anos sem sentir quase nada, imagina para quantas pessoas você pode transmitir durante todo esse tempo?

 

Lembra que ele destrói bem aos poucos a defesa do seu corpo? Qualquer infecção que seria boba, em uma pessoa com o vírus faz um estrago, muita gente só descobre o vírus quando pega geralmente uma infecção no pulmão ou no cérebro e vai parar no hospital de tão grave.

 

Por esses motivos, é muito importante todo mundo realizar o teste, é rápido, uma espetadinha no dedo, espera 30 minutos e pronto! Temos o resultado. Com a mesma gota de sangue ainda é feita a testagem para outras doenças (sífilis e hepatites virais). Você pode procurar o local mais perto do seu munícipio para fazer o teste através do site Aids SC.

 

O teste vai ajudar você a começar o tratamento imediatamente e impedir de transmitir para outras pessoas.

(Foto: Reprodução)

Mas como se transmite para outras pessoas?

 

Há várias formas de transmissão, a principal é pelo sexo sem proteção, homem com homem, homem com mulher e até mulher com mulher (mesmo sendo menos frequente pode haver transmissão nesse tipo de relação). Outra forma de transmissão é pelo sangue, que não é comum, se você se furar com uma agulha contaminada a chance é de 0,3% de contaminação, mas para usuários de drogas que compartilham seringas é maior.

 

Um meio de transmissão que talvez pouca gente saiba é da mãe para o bebê. Pode ser transmitido durante o parto ou durante o aleitamento (o danado do vírus fica também ali no leite materno).

 

A Aids não tem cura, mas tem tratamento, quem toma os medicamentos de forma adequada recupera o sistema de defesa e tem uma vida normal. O tratamento é um grupo de medicamentos para a vida toda. Mas o melhor remédio é a prevenção, usar preservativo, não compartilhar seringas e fazer o seu pré-natal adequadamente, isso tudo ajuda a você se proteger não só da Aids como também de várias doenças.

 

A mensagem que eu quero passar é: a Aids não tem cara, todo mundo pode pegar, mas é uma doença com tratamento, para isso eu peço que você se teste, é gratuito, a testagem protege você e as pessoas ao seu redor de problemas maiores.

 

O assunto não acaba aqui, a Aids rende muitas outras conversas, se quiser saber mais sobre essa doença na coluna, comenta aí. Tá com vergonha de comentar, você pode mandar uma crítica, elogio ou sugestão de forma anônima clicando neste formulário.

 

Para saber mais sobre, acesse o site do Ministério da Saúde.

 

Quer saber como a doença foi descoberta e todo o preconceito que rolou por puro desconhecimento? Tem um seriado na Netflix chamado "Carta para além dos muros".

 

Muito obrigado pela atenção, até a próxima!

Lucas Tarlé

Carioca de nascimento, gaúcho do Paraguai e baiano de coração, tem 26 anos, médico formado pela UNIRIO, adora tagarelar sobre ciência e saúde.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.