Mais de 60 pessoas morrem em atentado terrorista durante festa de casamento em Cabul

Atentado ocorrido no sábado foi reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico

18/08/2019 10:58 - Atualizado em 18/08/2019 10:58



Afegãos investigam interior de salão de festas após explosão (Foto: Wakil Kohsar/AFP Photo)

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou neste domingo, dia 18 o ataque suicida que matou 63 pessoas e deixou outras 182 feridas em uma festa de casamento em Cabul, no Afeganistão. Entre as vítimas estão mulheres e crianças.

 

Por volta das 22h30 (no horário local) de sábado, dia 17, um homem-bomba acionou seu cinturão de explosivos em um salão de festas em bairro de minoria xiita da capital. “Os convidados dançavam e festejavam quando aconteceu a explosão”, descreveu uma testemunha no hospital, atingida nos braços e na barriga.

Afegãos investigam interior de salão de festas após explosão (Foto: Wakil Kohsar/AFP Photo)

Uma testemunha disse à TV americana CBS que mais de mil pessoas haviam sido convidadas para a cerimônia e a festa.

 

O bairro onde aconteceu o ataque tem sido alvo de ataques suicidas nos últimos anos. Lá estão alvos como mesquitas e centros educacionais. A maioria desses ataques foi assumida pelo Estado Islâmico, que é de origem sunita.

 

Os casamentos no Afeganistão são eventos que costumam reunir centenas ou até milhares de convidados em salões de dimensões industriais. Normalmente, homens ficam separados de mulheres e crianças.

Feridos em um hospital de Cabul (Foto: Mohammad Ismail/Reuters)

Acordo entre Afeganistão e EUA

 

A explosão de sábado ocorre em um momento em que Estados Unidos e talibãs, outro grupo que atua na região, tentam concluir um aguardado acordo para reduzir consideravelmente a presença das tropas americanas no Afeganistão. A exigência americana é que insurgentes respeitem um cessar-fogo, rompam lanços com a al-Qaeda e negociem com o governo de Cabul um acordo duradouro de paz.

 

O presidente dos Estados Unidos, Donal Trump, disse desde o começo do seu mandato que quer as tropas fora deste país, onde Washington gastou mais de um trilhão de dólares, entre operações militares e trabalhos de reconstrução, desde 2001.

 

Na sexta-feira, dia 16, Ahmadullah Azkhundzada, irmão do líder talibã afegão Haibatullah Akhundzada, foi um dos quatro mortos em uma explosão em uma mesquita no Baluchistão, no sudoeste do Paquistão.

Do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.