Lenda da Fórmula 1, Nick Lauda morre aos 70 anos

Ex-piloto austríaco teria morrido por falência renal ao lado dos familiares

Por Oeste Mais

21/05/2019 08:45 - Atualizado em 21/05/2019 08:45



Niki Lauda em sua última aparição, no GP da Inglaterra (Foto: Getty Images)

Aos 70 anos, o tricampeão mundial de Fórmula 1, Niki Lauda, morreu na noite desta segunda-feira, dia 20, horário do Brasil (início da madrugada de terça na Europa). As primeiras informações dão conta de que ele estava em Viena, teve falência renal e morreu ao lado dos familiares.

 

Em 2018, Lauda passou por um transplante de pulmão e só recebeu alta depois de ficar mais de dois meses internado. No começo deste ano, ficou mais dez dias no hospital após ter febre durante as festas de fim de ano.

 

“Com profunda tristeza, anunciamos que nosso amado Niki morreu pacificamente com sua família na segunda-feira, 20 de maio de 2019. Suas realizações únicas como atleta e empreendedor são e permanecerão inesquecíveis; seu incansável entusiasmo pela ação, sua franqueza e sua coragem permanecem um modelo e uma referência para todos nós. Era um marido amoroso e atencioso, pai e avô longe do público, que sentirá sua falta”, diz o e-mail assinado com a família de Lauda.

 

O ex-piloto era casado desde 2009 com Birgit Wetzinger, que lhe havia cedido um rim para transplante quatro anos antes, quando o órgão doado em 1997 pelo irmão Florian teve problemas. Os dois tinham os gêmeos Max e Mia. Entre 1976 e 1991, Lauda já tivera matrimônio com Marlene Knaus, com quem teve dois filhos, Mathias e Lukas. O tricampeão tinha ainda outro filho fora do casamento, chamado Christopher.

 

No começo de julho de 2018, Niki Lauda descansava com a família em Ibiza, na Espanha, onde pegou uma forte gripe. O quadro evoluiu para febre alta com uma forte tosse, e o ex-piloto viajou em seu jato particular para a Áustria, onde se internou. Inicialmente, Lauda recebeu tratamento intensivo para o vírus e aparentou melhora. Mas o estado se agravou, com os médicos decidindo transplantar o pulmão, embora tenham garantido que as complicações não eram relacionadas ao grave acidente sofrido na pista de Nürburgring, em 1976 — na ocasião, o austríaco teve graves queimaduras e inalou gases tóxicos, escapando da morte por pouco.

Com informações do Globo Esporte


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.