França testará maconha medicinal em estudo com três mil pacientes

Projeto experimental foi aprovado pelos deputados franceses

Por Oeste Mais

28/10/2019 09:09 - Atualizado em 28/10/2019 09:09



Pacientes que sofrem de câncer, esclerose múltipla, alguns tipos de epilepsia e dores neuropáticas terão acesso aos derivados da Cannabis sativa (Foto: Pixabay)

Os deputados franceses aprovaram nesta sexta-feira, dia 25, um projeto experimental autorizando o uso da maconha medicinal no tratamento de algumas doenças graves. Durante dois anos, três mil pacientes que sofrem de câncer, esclerose múltipla, alguns tipos de epilepsia e dores neuropáticas refratárias aos remédios convencionais terão acesso aos derivados da Cannabis sativa, mediante acompanhamento hospitalar.

 

Esses pacientes poderão tomar combinações de canabidiol (CBD) e THC, dois derivados da maconha, receitados pelo especialista que os acompanha no cotidiano. Inicialmente, a pessoa irá retirar o produto na farmácia de um hospital credenciado que irá monitorar todo o tratamento. Tudo correndo bem, o doente poderá comprar a maconha terapêutica numa farmácia qualquer.

Agência Francesa de Medicamentos autorizou apresentações variadas dos derivados da maconha (Foto: Pixabay)

A Agência Francesa de Medicamentos (ANSM) autorizou apresentações variadas dos derivados da maconha: na forma de óleos, chás de ervas e flores secas de cannabis, destinadas à administração por meio de inalação. O primeiro grupo de participantes deverá começar o tratamento no primeiro semestre de 2020. O sistema público de saúde vai custear as despesas.

 

Atualmente, 21 países dos 28 membros da União Europeia autorizam a maconha medicinal em graus diferentes. A França registra um atraso em comparação com os vizinhos. Por isso, esse protocolo experimental é considerado um avanço e deve contribuir para esclarecer os benefícios e eventuais pontos negativos da prescrição. Daqui a dois anos, a expectativa é que a utilização do produto seja ampliada.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.