Capital sul-coreana finaliza atividades de abate de cães para consumo da carne

Últimas três lojas de carne para cães de Seul concordaram em encerrar o abate de cães no local

Por Oeste Mais

08/11/2019 10:48 - Atualizado em 08/11/2019 10:57



Sopa coreana típica preparada com carne de cachorro (Foto: iStock)

A capital da Coreia do Sul, a cidade sul-coreana de Seul foi finalmente declarada livre de abate de cães para produção de carne. De acordo com o site Good News Network, as últimas três lojas de carne para cães de Seul concordaram em encerrar o abate de cães no local, após mais de um ano de campanha do prefeito de Seul, Park Won-soon e do governo metropolitano de Seul.

 

A iniciativa foi bem recebida pela principal instituição de caridade animal, Humane Society International Coreia, que atua na Coréia do Sul trabalhando com produtores de carne de cães para fechar fazendas, resgatar cães e promover mudanças.

 

Até o momento, o HSI Coreia resgatou mais de 1.800 cães, e fechou 15 fazendas de carnes desde que começou a atuar na cidade em 2015. Além disso, a organização ajudou os produtores a fechar seus estabelecimentos e fazer a transição para alternativas, pois os criadores de cães estão cada vez mais interessados ​​em sair do comércio controverso devido à vergonha da sociedade, pressão da família e lucros decrescentes.

 

Outro motivo para o término da atividade é que o consumo de carne de cachorro também está diminuindo rapidamente na Coréia do Sul, principalmente entre as gerações mais jovens. Uma pesquisa realizada pela Gallup Korea em junho de 2018, mostra que 70% dos sul-coreanos dizem que não comerão carne de cachorro no futuro.

 

Em julho deste ano, o HSI Coreia ajudou no fechamento do famoso mercado de carne de cachorro Gupo, na cidade de Busan, após o fechamento do ano anterior do Taepyeong, maior matadouro de cães do país, localizado em Seongnam.

Com informações da revista Menu


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.