Uruguai reforça medidas na fronteira com Brasil por surto de covid-19

Cidade na fronteira com Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, registrou novo foco da doença com duas mortes no final de semana

Por Oeste Mais

26/05/2020 09h58 - Atualizado em 26/05/2020 09h58


O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anunciou nesta segunda-feira, dia 25, o reforço das medidas sanitárias de monitoramento do coronavírus na fronteira com o Brasil, onde foi registrado um surto de covid-19 que causou duas mortes neste fim de semana.

 

Em entrevista coletiva, o presidente disse que conversou pela manhã com seu colega brasileiro, o presidente Jair Bolsonaro, para colocar em prática um tratado de ação sanitária binacional já existente. “Reunimos a aprovação do presidente brasileiro para aplicar esse tratado e, nas próximas horas, o colocaremos em prática”, disse, acrescentando que há “preocupação recíproca com o que está acontecendo na fronteira”.

 

Lacalle Pou também informou que os ministérios do Interior e da Defesa adicionarão dois postos migratórios e sanitários aos dois já existentes nos pontos de fronteira para minimizar o tráfego de e para a capital do departamento homônimo. Além disso, suspendeu-se o início das aulas na cidade, programado para os dias 1º e 15 de junho, e ordenou-se um aumento dos recursos de saúde, como ambulâncias e leitos de terapia intensiva.

 

O Uruguai tem 769 casos confirmados de coronavírus, com 22 mortes. No final de semana, houve o primeiro óbito em Rivera, cidade na fronteira com Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul.

 

As medidas estão “focadas no respeito à vida binacional, mas ao mesmo tempo tentando garantir que surtos de contágio não migrem da Rivera para resto do país”, disse Lacalle Pou. O presidente também informou que serão feitas inspeções em lojas locais, e a realização de 1.100 testes aleatórios na cidade para dimensionar a quantidade de infectados.

Com informações da Revista Veja

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.