Deputados americanos tentam dificultar apoio do presidente Trump ao Brasil

Resolução foi apresentada um dia após o discurso do presidente Bolsonaro na ONU

Por Oeste Mais

26/09/2019 10h13 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Texto foi apresentado um dia após o discurso do presidente Bolsonaro na ONU (Foto: Alan Santos/Portal Correio)

Um grupo de 16 deputados americanos do Partido Democrata apresentou nesta quarta-feira, dia 25, um texto em que os legisladores dizem que os Estados Unidos da América (EUA) devem cancelar a designação do Brasil como aliado preferencial extra-Otan e suspender todo o apoio militar e policial americano ao governo brasileiro.

 

Conforme os congressistas dos EUA, para que a medida drástica não seja tomada, o Departamento de Estado deve se certificar formalmente de que medidas efetivas estão sendo tomadas por parte do Brasil, para evitar mortes injustificadas por agentes de segurança e que mortes de ativistas devem ser investigadas e judicializadas, além de se certificar de que o Brasil está cumprindo as normas internacionais de direitos humanos.

 

Os democratas também pedem que o governo americano se oponha a financiamentos do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento a “projetos que possam contribuir com o desmatamento ou incêndios em florestas tropicais da região amazônica”.

 

Na legislação dos EUA, resoluções são medidas legislativas que expressam posições de parlamentares e, uma vez aprovadas, devem ser levadas em consideração pelo governo, apesar de não terem força de lei.

 

Após a apresentação, o texto será encaminhado para avaliação de diferentes comissões de deputados. Segundo a BBC News Brasil, a resolução deve ser inicialmente apreciada por membros dos Comitês de Assuntos Estrangeiros e Forças Armadas.

 

A última etapa é a votação da resolução pelo plenário. O processo costuma demorar de semanas a meses, conforme a agenda de prioridades das casas legislativas.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.