Trio é condenado a 37 anos de prisão por tráfico de drogas em Pinhalzinho

Denunciados pelo Ministério Público, os três estão presos e não podem recorrer da decisão em liberdade

Por Oeste Mais

06/04/2019 09:48


Três homens denunciados por associação e tráfico de drogas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) foram condenados a penas que somadas chegam a 37 anos de reclusão em Pinhalzinho.

 

Um deles, Gelso José Luvison, que chefiava o tráfico na região há mais de dez anos, foi condenado a 13 anos, dois meses e 20 dias de prisão, a ser cumprida inicialmente em regime fechado.

 

Os outros denunciados, Roberson Rambo e Diego Alves da Costa, foram condenados, respectivamente, a 12 anos e quatro meses de reclusão e a 11 anos, oito meses e dez dias. Todos também terão que pagar multas. A decisão judicial é de 27 de março de 2019.

 

Esquema

 

Na ação penal, a Promotoria de Justiça da comarca de Pinhalzinho demonstrou que Gelso inicialmente vendia crack, mas nos últimos anos, pelo menos a partir de 2014, passou a comercializar maconha e cocaína em grande quantidade na própria casa.

 

Roberson e Diego atuavam na distribuição, entregavam a droga diretamente aos usuários. A associação criminosa para o tráfico entre os três era estável e de longa data. Eles tinham até uma espécie de sociedade de fachada para pintar casas, informou o Ministério Público.

 

Ainda de acordo com a apuração, Gelso possuía um código para avisar que havia droga para vender. Ele deixava o portão da garagem da casa aberto. O modo foi identificado em inquérito policial e confirmado por testemunhas e usuários. Gelso também revendia drogas, especialmente cocaína, para outros traficantes da região já condenados.

 

"A condenação do traficante Gelso Luvison representa um marco na repressão ao tráfico de drogas na comarca de Pinhalzinho. Luvison e seus comparsas há mais de década traficavam, arruinavam famílias e incrementavam a insegurança pública na sociedade pinhalense. A prisão e condenação do grupo de traficantes só foi possível graças a uma articulada atuação da Promotoria de Justiça, Polícia Civil e Polícia Militar de Pinhalzinho, que contou também com uma postura firme do poder Judiciário na decretação das prisões cautelares e condenação dos acusados", disse o promotor Edisson de Melo Menezes.

 

Gelso, Roberson e Diego estão presos e não podem recorrer da decisão em liberdade. De acordo com a juíza Janaína Alexandre Linsmeyer Berbigier, a manutenção da prisão neste momento é necessária. "A soltura, nesse momento, poderia pôr em risco a reta e a justa aplicação da lei penal, assim como a garantia da ordem pública", escreveu a magistrada na decisão.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.