Pedido de cassação de Bolsonaro é adiado pelo TSE

PT aponta abuso de poder porque apoiador de Bolsonaro teria ameaçado demitir funcionários se eles não votassem no candidato do PSL

Por Oeste Mais

05/12/2018 08:09 - Atualizado em 05/12/2018 08:12


A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou nesta terça-feira, dia 4, pelo arquivamento do pedido do PT para cassar a chapa do presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

A decisão foi adiada após o ministro Luiz Edson Fachin pedir mais tempo para analisar o caso. Não há data para a retomada do julgamento.

 

O PT argumenta que houve abuso de poder econômico porque o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, apoiador de Bolsonaro, teria ameaçado demitir funcionários se eles não votassem no candidato do PSL.

 

Votos

 

Relator da ação, o ministro Jorge Mussi afirmou que para o abuso de poder ser confirmado é preciso comprovar a gravidade do fato e a influência no resultado da eleição.

 

"Embora não tenha dúvida de que o ato de coagir empregado pela iniciativa privada pode vir a retratar o abuso, é essencial demonstrar de forma robusta e concreta. Esse, contudo, não é o caso dos autos", disse.

 

Para o relator, as provas foram insuficientes para configurar o abuso de poder. O voto foi acompanhado pelos ministros Og Fernandes, Admar Gonzaga, Tarcísio Vieira e Luís Roberto Barroso. Além de Fachin, falta o voto da presidente da Corte, ministra Rosa Weber.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.