Justiça manda afastar comandante do Grupamento de Choque da Polícia Militar

Segundo MPSC, tenente-coronel acobertou atos de indisciplina de subordinados dele

19/07/2019 23:20



Justiça mandou afastar comandante do Grupamento de Choque da PM de Santa Catarina (Foto: PMSC/Divulgação)

A Vara de Direito Militar de Florianópolis mandou afastar o comandante do Grupamento de Choque da Polícia Militar, tenente-coronel Maurício Silveira. Ele foi denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por ter deixado de tomar providências em relação a condutas ilegais cometidas por subordinados dele.

 

A decisão é de quinta-feira, dia 18. Em nota, a Polícia Militar de Santa Catarina afirma que "vai acompanhar as decisões que deverão ser acatadas de acordo com a lei". A corporação também confirmou que o comandante já foi afastado.

 

Cabe recurso da determinação. A Vara de Direito Militar aceitou a denúncia do MPSC e Silveira é réu no processo. O Grupamento de Choque da PM é localizado em Florianópolis.

 

Denúncia

 

De acordo com o MPSC, em abril de 2018 dois PMs do Grupamento de Choque, um deles capitão, e dois de outros batalhões criaram um grupo para investigar Carlos Alberto Pereira, um homem que tinha antecedentes criminais por tráfico de drogas e outras infrações.

 

No mês seguinte, Pereira foi assassinado em São José, na Grande Florianópolis, e três dos policiais entraram clandestinamente no apartamento dele.

 

O comandante Silveira teve conhecimento da infração dos PMs por causa da abertura de um inquérito da Polícia Civil sobre isso. Porém, conforme a denúncia, ele não tomou os procedimentos necessários.

 

O MPSC denunciou o tenente-coronel pelos crimes de prevaricação, que é deixar de praticar um ato de ofício para satisfazer interesse pessoal, e condescendência criminosa, que é não responsabilizar um subordinado quando ele cometer uma infração durante o trabalho.

Do G1 SC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.