Diretor de escola do Oeste é condenado por compra de votos

Distribuição de cestas básicas durante as eleições de 2012 teria sido feita em troca de votos

Por Oeste Mais

15/08/2014 09:21 - Atualizado em 31/01/2018 23:11



O juiz da 83ª Zona Eleitoral de Cunha Porã, Samuel Andreis, julgou procedente a denúncia de compra de votos contra o diretor de uma escola do município, Eliston Terci Panzenhagen, e o condenou ao pagamento de multa e prestação de serviços à comunidade. A decisão foi publicada na terça-feira, dia 12, no processo de número 1.548 e cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE/SC).


O diretor foi acusado de entregar, durante o período eleitoral de 2012, cestas básicas que seriam provenientes da assistência social da cidade, além de pedir votos para os candidatos a prefeito e vice de Cunha Porã logo após a entrega. As informações são da assessoria de imprensa do TRE/SC.


O Ministério Público apresentou denúncia e requereu a condenação do diretor escolar, alegando que as provas produzidas evidenciaram o crime eleitoral. Segundo a acusação, o fato de que outras famílias tenham recebido as cestas básicas na escola, sem conotação política no ato, não afasta a ocorrência de crime eleitoral.


O réu alegou inocência e sustentou a ocorrência de denunciação caluniosa, destacando que os depoimentos das testemunhas da acusação estão cheios de contradições.


Na avaliação do juiz eleitoral, não existe dúvida quanto à intenção do réu, pois o pedido de apoio e a entrega de santinhos logo após ter dado as cestas básicas revela o claro intuito de obter votos em troca.


Eliston Terci Panzenhagen foi condenado a cumprir pena privativa de um ano e quatro meses, que consiste em prestação de serviços à comunidade ou entidade pública, e prestação pecuniária de cinco salários mínimos em favor de alguma entidade beneficente a ser indicada.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.