Pai que matou filho de três meses após se irritar com choro é condenado pelo MPSC

"Eu nunca tinha me deparado com um crime tão cruel" relatou o Promotor de Justiça

Por Redação Oeste Mais

28/07/2022 16h12 - Atualizado em 28/07/2022 16h12



Um homem que matou o próprio filho de três meses, após se irritar com o choro do bebê, foi condenado a 30 anos, três meses e dois dias de reclusão em regime fechado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Navegantes, que aceitou a tese do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

 

O Conselho de Sentença reconheceu o crime de homicídio triplamente qualificado, com motivo torpe, meio cruel e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima, e assim, o Juízo fixou a pena.

 

Durante a sessão do júri, o Promotor de Justiça falou sobre a brutalidade do crime.

 

"Esse é o júri mais difícil que já fiz em toda a minha carreira. Eu nunca tinha me deparado com um crime tão cruel. É difícil entender como um pai consegue fazer isso. Filhos esperam que pais sejam um porto seguro, e não seu algoz. Estamos diante de uma barbárie, que não pode ficar impune", disse.

 

O crime

 

O crime aconteceu na tarde de 12 de fevereiro de 2021, quando o réu ficou responsável por cuidar do filho enquanto companheira trabalhava. Ele agrediu o menino com um tapa violento e apertos brutais, simplesmente porque não suportava o choro do bebê. 

 

Conforme o MPSC, ao chegar do trabalho, a mulher encontrou o filho desacordado e fez tudo o que podia para salvá-lo. Ela chegou ao ponto de parar na frente de um carro com o bebê para pedir ajuda, mas já era tarde. A criança morreu devido a um traumatismo cranioencefálico. Algumas horas após o crime, ela disse à Polícia que o então companheiro se irritava com facilidade.  

 

O réu foi preso em flagrante, e teve a prisão preventiva decretada posteriormente. A mulher, por sua vez, decidiu retornar para a cidade natal, no Pará, em busca de amparo familiar.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.