Redefinição de perfis agiliza adoção em Chapecó

Dez crianças e adolescentes com idades entre três e 14 anos estão em processo de adoção

Por Redação Oeste Mais

13/01/2022 10h55 - Atualizado em 13/01/2022 10h56



As pessoas que aguardam há mais de três anos para adoção de crianças e adolescentes na comarca de Chapecó passam neste momento por uma reavaliação de perfil.

 

Em conversas com a assistente social, os pretendentes atualizam as expectativas em relação ao novo filho. Os resultados já começam a aparecer. Dez crianças e adolescentes com idades entre três e 14 anos estão em processo de adoção a partir das redefinições. Destes, duas duplas e um trio são de irmãos. Aliás, a adoção de grupos de irmãos tem se tornado característica peculiar da comarca. 

 

As conversas acontecem por videochamadas. A assistente social forense Katiane Centenaro, conta que são necessárias várias ligações. São intervenções individuais e conjuntas com os casais. Aproximadamente 40 pretendentes foram atendidos, o que representa a metade do número a ser entrevistado.

 

A ideia é fazer com que eles reflitam sobre o projeto adotivo. Com o trabalho, mais de 20 pretendentes desistiram da adoção. Alguns se separaram, outros tiveram filhos biológicos ou perceberam que o avanço da idade inviabiliza o atendimento adequado a uma criança.  

 

Mas o principal resultado da reavaliação é a mudança de perfil. Muitos trocaram a longa espera por um recém-nascido – que dura, em média, oito anos – pela adoção tardia, que considera crianças maiores de três anos de idade, e a possibilidade de receber mais de um filho adotivo, o que fez com que fossem chamados mais rápido. “Percebemos que os pretendentes entenderam que estavam perdendo um tempo precioso com o filho que já poderia estar na família”, divide a servidora. 

 

Katiane observa que não é de hoje que o perfil de quem busca um filho adotivo na comarca está ampliado. A possibilidade de receber em casa crianças maiores tem facilitado a aceitação de grupos de irmão, o que não é comum e se tornou característica dos processos efetivados em Chapecó. Atualmente, há sete adoções em andamento que envolvem 10 crianças e adolescentes com idades entre três e 14 anos. Apenas três deles são individuais, os demais estão divididos em duas duplas e um trio de irmãos. Duas dessas crianças têm problemas de saúde. Outro detalhe é que apenas uma delas é de Chapecó.

 

“O cadastro de adoção utilizado é o mesmo em todo o Brasil. O programa de computador cruza os perfis dos pretendentes com os perfis das crianças e adolescentes habilitados à adoção. O próprio sistema indica o pretendente compatível com o perfil da criança”, explica Katiane. A assistente social lembra que o desejo da maioria dos pretendentes ainda é por apenas uma criança, mas a maior necessidade são famílias para grupos de irmãos com, no mínimo, três crianças. Muitas com menos de sete anos de idade. E essa realidade é percebida em todo o estado.  


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.