Mãe que causou o acidente e tentou matar a filha é condenada a 19 anos e quatro meses de prisão

Ela disse que tomou a decisão porque viu o ex-marido em casa com outra mulher

Por Redação Oeste Mais

18/11/2021 16h23



Júri ocorreu nesta quarta-feira, dia 17, em Lajeado, Rio Grande do Sul (Fotos: Divulgação)

O júri da mulher que causou o acidente e tentou matar sua filha de dois anos, ao cortar a frente de um caminhão na BR-386, no dia 17 de maio, foi realizado na tarde desta quarta-feira, dia 17, no Fórum de Lajeado (RS).

 

O julgamento teve início às 13 horas e se estendeu até às 19h45. A acusação solicitava a condenação da ré por tentativa de homicídio múltiplo, envolvendo sua filha e os demais envolvidos no acidente. Por outro lado, a defesa buscava a absolvição alegando abuso psicológico por parte de seu ex-companheiro, e pai da criança.

 

Durante as mais de seis horas de julgamento foram ouvidas quatro testemunhas, o Ministério Público, representado pelo promotor de justiça Diego Prux, e o advogado de defesa José Felipe Lucca.

 

Ana Alice Albaneze Gregório, de 34 anos, falou publicamente pela primeira vez após o fato acontecido. Ela foi interrogada pelo seu advogado de defesa e pelos sete jurados presentes no Fórum da Comarca de Lajeado.

 

Em seu discurso, a mãe alegou que era abusada emocionalmente pelo seu ex-companheiro e pai da criança. Conforme ela, o relacionamento foi “extremamente tóxico”, e que, durante o período de convivência, ela não conseguiu perceber.

 

Em seu depoimento, relatou o que teria acontecido no dia. “Havíamos combinado de nos encontrarmos na casa dele. Quando cheguei lá, encontrei ele com outra mulher. Naquele momento me senti um lixo. Fui desesperada para o carro, pensando somente em acabar com a minha vida. Naquele momento, ele veio até mim e disse que não seria capaz de fazer nada”, relata.

 

Após isso, a mãe se deslocou até a creche, o que segundo ela, não se recorda. “Eu saí da casa dele e não lembro mais de nada, só conseguia pensar que não poderia deixar a minha filha nas mãos dele”, conta.

 

O corpo de Jurados decidiu pela condenação da ré, que foi sentenciada pela Juíza Carmen Luiza Rosa Constante a 19 anos e quatro meses de prisão em regime fechado, por tentativa de homicídio, com agravante de motivo torpe.

 

Após o julgamento a acusada retornou ao Presídio Madre Pelletier, em Porto Alegre (RS), onde já estava detida.



Com informações do Grupo Independente


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.