Vítimas e testemunhas vão depor em 1ª audiência sobre chacina em creche de Saudades

Depoimento do agressor acontecerá através de videoconferência da sala passiva do Presídio Regional de Chapecó

Por Oeste Mais

04/08/2021 08h58 - Atualizado em 04/08/2021 08h58



Fabiano Kipper Mai está preso preventivamente (Foto: Reprodução/NDTV)

Um dia após completar três meses da chacina na creche de Saudades, no Oeste, a Justiça dará início a oitivas de testemunhas e vítimas.

 

Nesta quinta-feira, dia 5, a partir de 13h30, seis vítimas e nove testemunhas contarão o que viram e viveram no dia do crime. Com exceção da equipe de trabalho e dos depoentes, ninguém terá autorização para permanecer na audiência, nem comunidade nem imprensa, devido ao sigilo do processo.

 

Os trabalhos acontecerão na sala passiva do fórum da comarca de Pinhalzinho, onde tramita o processo. Ali estarão apenas os depoentes, uma assessora jurídica e um estagiário para operar os equipamentos de gravação das oitivas em vídeo e áudio. Esses arquivos serão anexados ao processo. Não há tempo-limite estipulado para cada fala.

 

O juiz Caio Lemgruber Taborda presidirá a audiência online, de seu gabinete no fórum. O promotor de justiça também participará pela internet, de sua sala no Ministério Público. Da mesma forma será a participação do advogado de defesa, que estará em seu escritório. Todos estarão em vídeo no aparelho de televisão instalado na sala para interação imediata com o entrevistado. A organização diferenciada se deve em virtude das normas de segurança sanitária devido à pandemia de Covid-19.

 

Após o Poder Judiciário ouvir outras 14 testemunhas de acusação, será a vez do depoimento do agressor. Ele falará por videoconferência da sala passiva do Presídio Regional de Chapecó, onde está recolhido desde que recebeu alta hospitalar, oito dias após o crime. A oitiva será online por segurança e por causa da pandemia.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.