Homem é condenado a mais de 18 anos de prisão por matar adolescente e queimar provas do crime no Oeste

Para ocultar provas, ele tentou queimar objetos usados para cometer o crime e levou corpo da vítima para região de mata

Por Redação Oeste Mais

27/07/2021 10h41 - Atualizado em 28/07/2021 10h10



Foi condenado a 18 anos e seis meses de prisão, em regime inicial fechado, um homem que matou uma adolescente de 15 anos em Guatambu, no Oeste de Santa Catarina. 

 

De acordo com as investigações, em 12 de maio de 2018 o réu levou a vítima e uma amiga, moradoras de Chapecó, para a casa de seu irmão, no município de Guatambu. A perícia indicou que possivelmente o homem amordaçou a jovem com uma fita adesiva. A vítima foi golpeada com um objeto cortante na região da cervical e não resistiu.

 

O homem teria tido a ajuda de uma pessoa ainda não identificada para praticar o homicídio, limpar a cena do crime, esconder o corpo da adolescente e ainda incendiar o cadáver e mais provas que teriam sido utilizadas para a limpeza do ambiente. 

 

O réu, com ajuda de uma pessoa ainda não identificada, levou o cadáver até uma região de mata, no interior do Município de Planalto Alegre, e ateou fogo no corpo da vítima e em diversos objetos, entre eles um telefone celular, canivete, toalhas e esponja. O intuito era destruir o cadáver e ocultar os vestígios do crime. 

 

O corpo da vítima foi localizado dois dias depois, quase integralmente carbonizado e em avançado estado de decomposição, no Município de Planalto Alegre, o que dificultou a perícia na identificação da identidade da vítima. A amiga da adolescente que estava na casa está desaparecida desde a data dos fatos.

 

Durante a investigação, o réu negou a autoria do crime, imputando-o exclusivamente a um primo seu já falecido. 

 

O Conselho de Sentença condenou o réu por homicídio qualificado - por impossibilitar a defesa da vítima. O réu também foi condenado a seis meses de detenção e ao pagamento de 30 dias-multa, no valor de um trigésimo do salário mínimo por dia, por ocultação de cadáver e por induzir a erro o juiz ou o perito, ao modificar a cena de crime. O réu não poderá recorrer em liberdade. A decisão é passível de recurso.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.