Irmãos que asfixiaram e mataram homem a pedradas são condenados no Oeste

Crime ocorreu em fevereiro de 2020, às margens da SC-157, em Quilombo

Por Redação Oeste Mais

01/07/2021 21h27 - Atualizado em 01/07/2021 21h27



Dois irmãos foram julgados na última segunda-feira, dia 28, e condenados pela morte de um jovem de 23 anos. O crime ocorreu em fevereiro de 2020, em frente a um bar,  às margens da SC-157, em Quilombo, no Oeste do Estado. 

 

Segundo informações do TJSC, depois de 10 horas de debates, um dos réus foi condenado a 14 anos de reclusão e a irmã dele, também acusada, foi sentenciada em 11 anos e oito meses de prisão. Ambos em regime fechado. 

 

Os irmãos foram denunciados por homicídio qualificado por asfixia. Os dois estão presos desde o ocorrido, um deles em prisão domiciliar por ter dependente recém-nascido. Um terceiro acusado foi condenado a um mês e dez dias de reclusão, em regime semiaberto, por favorecimento pessoal. Este último deu fuga do local aos irmãos, em seu veículo, logo após o crime.

 

A sessão foi presidida pela juíza Jaqueline Fátima Rover, titular da Vara Única da comarca de Quilombo. Na acusação, como representante do Ministério Público, atuou o promotor de justiça Bruno Poerschke Vieira. A defesa foi realizada pela advogada constituída Vanessa Gugel e pelos defensores dativos Silvia Rejane Siega, Janaína Miotto Bordignon e Wagner Douglas Franzoni.

 

O crime

 

De acordo com a denúncia apresentada, houve um desentendimento dentro do bar e os envolvidos foram retirados do estabelecimento pelos seguranças do local. Do lado de fora, houve nova briga. A vítima tentou afastar outro envolvido quando foi empurrada pela ré.

 

Após o controle da situação, os irmãos entraram em luta corporal com a vítima, em local afastado, a imobilizaram e estrangularam. Mesmo após a morte por asfixia, um dos réus utilizou-se  de uma pedra de grande porte para golpear a cabeça da vítima e provocar-lhe traumatismo craniano. Na sequência, os dois fugiram do local, levados de carro para casa pelo terceiro indiciado.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.