Jovem acusado de cometer massacre na creche em Saudades será ouvido em agosto

Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, está preso em Chapecó, desde o dia em que recebeu alta hospitalar

Por Oeste Mais

24/06/2021 10h28 - Atualizado em 24/06/2021 10h29



Fabiano está preso desde que recebeu alta hospitalar (Foto: Reprodução/NDTV)

O jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, acusado de matar duas professoras e três bebês em uma creche no município de Saudades, no início de maio, será ouvido pela Justiça no próximo dia 24 de agosto, após o Poder Judiciário ouvir seis vítimas e 23 testemunhas de acusação.

 

A primeira audiência de instrução e julgamento acontecerá no dia 5 de agosto. Seis vítimas e nove testemunhas contarão suas versões do ocorrido. No dia 24 de agosto, outras 14 testemunhas serão ouvidas.

 

E por fim, o acusado do ataque falará via internet, da sala passiva do Presídio Regional de Chapecó, onde está mantido desde a data do crime. Vítimas e testemunhas devem participar, preferencialmente, de maneira presencial em suas oitivas.

 

Leia também: Autor de chacina escolheu atacar creche pela fragilidade das vítimas, diz delegado.

 

Novamente, a defesa do agressor requereu a instauração de incidente para realizar exame de insanidade mental do acusado. Nesse quesito, o magistrado concordou com o parecer desfavorável do Ministério Público e indeferiu o pedido.

 

O juiz da Vara Única da comarca de Pinhalzinho, Caio Lemgruber Taborda, considerou que “[...]o fato da defesa sustentar que o acusado [...] trata-se de uma pessoa mentalmente ‘DOENTE’, não possui o condão por si só, de embasar o deferimento da instauração do incidente de insanidade mental, especialmente porque não foi apresentado sequer um laudo médico, exame, demonstração de ingestão de medicamento ou qualquer outro documento que demonstre que o acusado tenha sido internado ou submetido a tratamento/acompanhamento em razão de algum distúrbio mental”.

 

Leia também: Justiça nega pedido de exame de insanidade mental para acusado da chacina em Saudades.

 

“Até o presente momento, entendo que o acusado demonstrou possuir plena consciência da ilicitude de seus atos, tanto é que, em tese, planejou com antecedência a prática delitiva, inclusive estudando o local, horário, fragilidade das vítimas e nocividade que as armas causariam no corpo humano. Além disso, após a prática delitiva o acusado realizou alguns questionamentos sobre quantas vítimas havia lesionado, sobre se permaneceria muito tempo na prisão, e ainda afirmou à Autoridade Policial sobre ser errado atentar contra a vida de crianças”, reiterou o juiz em sua decisão.

 

O crime

 

Fabiano Kipper Mai invadiu a Escola Infantil Pró-Infância Aquarela na manhã do dia 4 de maio, durante o seu intervalo de trabalho. Ele usou um facão para cometer os cinco homicídios no local.

 

A creche atende crianças de até três anos de idade. Após o ataque, uma criança foi socorrida com ferimentos e levada ao hospital por populares. O menino de pouco mais de um ano já recebeu alta e voltou para casa. 

 

De acordo com o delegado Jerônimo Marçal Ferreira, o rapaz não possuía passagens policiais. O delegado informou que o jovem chegou na unidade por volta das 10 horas da manhã, matou a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e partiu para cima das crianças. Ele também matou a educadora escolar Mirla Renner, de 20 anos, que morreu pouco depois de ser socorrida. Três crianças ainda foram assassinadas.

 

Leia também: “Ele queria matar o máximo de pessoas”, diz delegado ao concluir investigação de chacina em creche.

Jovem invadiu uma creche e matou cinco pessoas no início da maio (Fotos: Divulgação)

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.