Governo dos EUA executa 1ª mulher em quase 70 anos

Lisa Montgomery foi condenada por matar, remover da barriga e roubar o bebê de uma mulher grávida no Missouri

Por Oeste Mais

13/01/2021 17h20 - Atualizado em 13/01/2021 17h20



O governo federal dos Estados Unidos executou, nesta quarta-feira, dia 13, pela primeira vez depois de quase 70 anos, uma mulher condenada por matar grávida e roubar bebê.

 

Esse é um dos últimos atos do governo de Donald Trump. O presidente, um defensor da pena de morte, ignorou uma petição de clemência apresentada por apoiadores de Lisa Montgomery, de 52 anos, a condenada.

 

Montgomery foi morta com uma droga letal, o pentobarbital. Antes de receber a injeção no braços, ela bateu os dedos nervosamente e fechou os olhos. Ela engasgou quando a substância entrou no seu corpo, sua barriga chegou a mexer, mas ela parou rapidamente.

 

O crime

 

Lisa Montgomery foi condenada por matar, remover e roubar o bebê de uma mulher grávida no Missouri. Em dezembro de 2004, aos 36 anos, ela dirigiu por quase três horas de sua casa em Melvern, no estado do Kansas, até Skidmore, uma cidade no Missouri.

 

Ela foi à casa de Bobbie Jo Stinnett, uma jovem de 23 anos, que ela havia conhecido pela internet. Stinnett e o marido, Zeb, de 24 anos, esperavam o primeiro filho, e ela estava no oitavo mês de gestação.

 

Montgomery usou nome e e-mail falsos para marcar a visita, sob o pretexto de comprar um filhote de cachorro (a vítima era uma criadora de cães).

 

Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, dentro da residência, Montgomery atacou e estrangulou Stinnett, que estava grávida de oito meses, até que a vítima perdeu a consciência.

 

"Usando uma faca de cozinha, Montgomery então cortou o abdômen de Stinnett, o que fez com que ela retomasse a consciência. Uma luta se seguiu, e Montgomery estrangulou Stinnett até a morte", diz o texto do Departamento de Justiça dos EUA.

Lisa Montgomery foi executada nos EUA após condenação (Foto: Divulgação)

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.