Balconista é condenada por usar atestado falso para não trabalhar

Em 1ª instância, a mulher foi condenada a um ano de reclusão, pena substituída por serviços à comunidade

Por Oeste Mais

17/10/2020 08h59 - Atualizado em 17/10/2020 08h59



A Justiça de Santa Catarina manteve a condenação imposta a uma ex-funcionária de uma loja de departamentos de Florianópolis que usou atestado médico falso para não trabalhar. O fato ocorreu em 2012.  

 

No documento constava: "Atesto para os devidos fins que (nome) necessita de cinco dias de atestado por motivo de doença". O chefe da balconista, desconfiado, entrou em contato com a médica e esta lhe disse duas coisas: "Nunca atendi tal pessoa e esta assinatura não é minha". Em 1ª instância, a mulher foi condenada a um ano de reclusão, pena substituída por serviços à comunidade.

 

Ela, no entanto, recorreu. Postulou a substituição da pena (serviços à comunidade) por limitação de sair no fim de semana. Disse que cuida sozinha da filha, é autônoma, não pode contar com nenhum parente e, portanto, não terá tempo de cumprir esses serviços.

 

O relator da apelação, desembargador Sidney Eloy Dalabrida, explicou que cabe ao magistrado, utilizando-se da discricionariedade que lhe é inerente e desde que respeitados os ditames legais, estabelecer a pena substitutiva que considera mais adequada à conduta praticada.

 

O relator disse ainda que o réu não tem o direito de escolher qual tipo de pena deve cumprir porque, no direito brasileiro, a fixação da espécie de pena alternativa é tarefa do juiz, ao contrário de algumas legislações que determinam a audiência e a concordância da defesa. Isso ocorre, por exemplo, no Código Penal português.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.