Falso advogado é condenado a mais de quatro anos de prisão por enganar idosa

Ele garantiu que ela conseguiria benefício para o filho, que havia sofrido um derrame, e tirou dinheiro da mulher

Por Oeste Mais

13/10/2020 14h31 - Atualizado em 13/10/2020 14h31



A Justiça de Santa Catarina condenou um falso advogado a quatro anos, seis meses e 28 dias de reclusão, em regime inicial fechado, por estorquir uma idosa, em 2012, em Campos Novos.

 

O réu montou um escritório no município, onde atendia os clientes com nome falso. Uma das vítimas foi uma senhora de 76 anos. Ele garantiu para a idosa que conseguiria um benefício junto ao INSS para seu filho, que havia sofrido um derrame. Para isso, precisaria de R$ 4.727,00, em dinheiro vivo, referente a uma suposta dívida que o filho tinha com o INSS. A senhora, na boa-fé, deu o valor pedido e, claro, nunca mais o recuperou.

 

Se não bastasse, o falso advogado contratou uma secretária, que também foi vítima. Ele pegou a sua Carteira de Trabalho e Previdência Social e, quatro meses depois, saiu da cidade e não devolveu os documentos. O réu, reincidente, já tinha duas condenações por estelionato no Rio Grande do Sul.

 

O homem disse que nunca exigiu valores da vítima e que apenas a encaminhou para atendimento no CRAS, pois realizava assessoramento extrajudicial. Confessou, entretanto, que usava o nome de um advogado de uma cidade próxima. O curioso, conforme contou em depoimento, é que o advogado verdadeiro teria ciência do esquema e haveria inclusive um acordo entabulado: o réu faria alguns serviços, como, por exemplo, comparecimento a audiência, e os valores eram divididos entre ambos.

 

Para o desembargador Sidney Eloy Dalabrida, relator da apelação, a materialidade e autoria delitivas estão comprovadas por meio do boletim de ocorrência, do recibo de pagamento, dos termos de reconhecimento de pessoa por foto, além da prova oral colacionada aos autos.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.