Justiça denuncia homem por divulgação de fake news sobre Covid-19 em município de SC

Homem teria divulgado um áudio afirmando falsamente que o primeiro óbito por coronavírus teria ocorrido no município

Por Oeste Mais

22/05/2020 09h18 - Atualizado em 22/05/2020 09h18


O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ofereceu denúncia contra um homem que teria criado e divulgado informações falsas relacionadas ao Covid-19, além de caluniar o prefeito e a Secretária de Saúde do município de São Ludgero. 

 

Conforme consta na denúncia, o homem teria divulgado, no início de abril, um áudio por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp em que afirmava falsamente que o primeiro óbito decorrente de coronavírus no município teria ocorrido, na realidade, por doença cardíaca. 

 

O indivíduo, posteriormente identificado pela autoridade policial, informava que conhecia o paciente e que as demais mortes que estavam sendo contabilizadas como decorrentes da pandemia também tinham outras causas. Ao divulgar tais informações falsas, o denunciado provocou pânico e tumulto na população, que passou a questionar os dados referentes à doença e as medidas sanitárias adotadas pelas autoridades competentes. 

 

No áudio divulgado, o homem também difamou o prefeito e a secretária de saúde de São Ludgero, imputando a eles a responsabilidade pela "declaração falsa" da causa da morte da vítima de Covid-19. O fato colocou em dúvida a atuação dos agentes públicos, que precisaram emitir nota pública desmentindo o boato. 

 

A situação ainda provocou grande abalo emocional nos familiares do jovem que havia acabado de perder a vida. 

 

O homem foi denunciado pelos crimes de calúnia e difamação, com penas aumentadas em um terço por serem contra funcionário público em razão de suas funções, e, ainda, por provocar alarma, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.