Homem vai a júri popular pela segunda vez pelo mesmo crime após ser absolvido

Julgamento será realizado após Tribunal de Justiça de SC acatar recurso do Ministério Público para anular o primeiro júri, onde o réu foi absolvido

Por Oeste Mais

04/07/2019 19h28 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Absolvido de uma acusação de homicídio em júri popular realizado em 2016, Marcelo Prestes da Silva será novamente julgado pelo mesmo crime em Chapecó. A sessão está marcada para esta sexta-feira, dia 5.

 

A remarcação do júri é uma situação rara. Mas o fato é que o Ministério Público recorreu da decisão após o réu ser absolvido pelos jurados em 2016. E o Tribunal de Justiça de Santa Catarina anulou o júri por entender que a decisão dos jurados foi contrária às provas do crime.

 

Empresário do ramo metalúrgico, Marcelo vai a novamente a julgamento. O início da sessão está marcado para as 8 horas desta sexta, no Fórum de Chapecó. O júri será presidido pelo juiz da 1ª Vara Criminal, Jeferson Vieira. O representante do Ministério Público será a promotora de justiça Cândida Antunes Ferreira. A defesa é do advogado Edson Pompeu da Silva.

 

O crime

 

De acordo com a denúncia, no dia 24 de dezembro de 2014, por volta das 18h30, Marcelo de Araújo foi atingido por disparos de arma de fogo no ombro direito, braço direito e lateral direita do tórax.

 

Os dois eram compadres de casamento e mantinham boa convivência, mas a desavença teria ocorrido porque alguns funcionários se desligaram da empresa do acusado, Marcelo Prestes da Silva, para trabalhar na empresa, do mesmo ramo, pertencente à vítima.

 

O homicídio aconteceu na Rua Bom Jesus da Serra, no Bairro Eldorado em Chapecó. Nos dias seguintes, também de acordo com a denúncia, o réu passou por diversas vezes em frente à casa da viúva para fazer ameaças, já que ela é uma das testemunhas de acusação.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.