Participante de júri popular que absolveu Sabiá fala ao Oeste Mais

Sabiá foi absolvido pela morte de Soda em julgamento realizado na última sexta-feira

Por Oeste Mais

15/07/2013 15h01 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Manifestações de descontentamento tomaram conta do Facebook logo após a leitura da sentença que decretou a absolvição de Itamar Donin (Sabiá) no julgamento da última sexta-feira, dia 12. O acusado foi considerado inocente pela maioria dos jurados, ficando em liberdade. Sabiá respondia pela morte de Francis Romani (Soda).


Após a decisão os diversos comentários na rede social, o portal OESTEMAIS.COM.BR recebeu um extenso depoimento de um dos jurados. Pedindo para não ser identificado, ele manifestou a surpresa com o resultado. “Não devo aqui me manifestar que gostaria da condenação do réu ou de sua soltura, porém, o resultado foi surpreendente”, declarou.


Logo abaixo você pode ler integralmente o depoimento encaminhado pelo jurado ao portal, através do próprio Facebook. Para preservar a identidade dele, alguns trechos do texto foram suprimidos, mas com a manutenção de todo o contexto.


Leia o depoimento:


Como não deixar de escrever sobre o júri dessa sexta feira? Assim como a grande maioria das pessoas de nossa cidade, fiquei surpreso com tal resultado, não devo aqui me manifestar que gostaria da condenação do réu ou de sua soltura, porém, o resultado foi surpreendente... Apenas faço uma ressalva, a DD juíza, na sala secreta nos deixou bem a vontade sobre a votação, a qual também é secreta, e na presença de todos os membros que compunham tal sessão. Algo a ser dito, a votação não mais será apurada como antigamente, dando resultados como 4 a 3 ou 5 a 2 ou mesmo 7 a 0, o resultado era apenas pela maioria, sem ter que consultar todos os votos se assim ocorresse. Deixando mais claro, na apuração a juíza ia retirando voto a voto até obter a maioria simples, 4 sim ou 4 não, e assim foi em todos os quesitos. Dessa forma até dá um pouco mais de "proteção" aos jurados, pois, a justiça não deve ter lado. Continuando, não seria a favor do réu ser condenado aos 30 anos, mas também não me senti bem ao ser absolvido, de tal forma... e agora? Continuo com meu mal estar, minha vida continua, e serei talvez lembrado como jurado que absolveu uma pessoa que cometeu um crime. A justiça divina? Dizem que não falha, mas a sociedade necessitava de uma resposta a altura dos acontecimentos e isso não ocorreu. Lendo mais alguns comentários do pessoal sobre o juri, um questiona "quanto ganharam os jurados", fazendo menção à venda do indulto, ou seja, suborno pra votar a favor da absolvição... Ora é publico e notório que se houvesse algo nesse sentido, os interessados deveriam "comprar" todos os 21 jurados que estavam na lista, da qual foram sorteados apenas os 7, e isso realmente é utópico... irreal, então esse cometário é sem fundamento mesmo, gostaria que as pessoas não ficassem apenas jogando pedras e conseguissem entender que a "maioria" decidiu sobre a absolvição... Os jurados possuem poderes plenos e fora algum fato externo, não se pode anular um julgamento, é a soberania do julgamento pela sociedade. O Promotor foi simplesmente brilhante em suas colocações, nas explicações, nos exemplos citados, e muito bem fundamentada a sua meta... Não se pode desclassificar a conduta do advogado de defesa, o qual apelou pelas leis divinas e acredito que sensibilizou alguns do júri, e assim conseguiu seu intento, mas era nítido a sua meta, ele com certeza acreditava na condenação do réu, porém, pedia a retirada das qualificadoras, as quais iriam pesar na aplicação da pena, ou seja, nem ele acreditou na absolvição... Foi realmente surpreendente.... caso inédito... mas, seguiremos em frente... Essa questão é super delicada... Só estou escrevendo pra poder desabafar um pouco e diminuir esse peso que a população está jogando pra cima de TODOS os jurados.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.