Carnaval de Joaçaba deixa dívida de R$ 800 mil

Números apresentados nesta semana deverão ser divulgados oficialmente na segunda-feira

Por Oeste Mais

15/04/2017 11h26 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



De acordo com o Presidente da Liesjho, Dihego Joe Müller, evento arrecadou em torno de R$ 600 mil (Foto: Caco da Rosa)

A Liga Independente das Escolas de Samba de Joaçaba e Herval d'Oeste (Liesjho) deve divulgar na próxima segunda-feira, dia 17, a prestação de contas do Carnaval 2017.

 

Os números foram apresentados nesta semana para o prefeito Dioclesio Ragnini e vereadores. “A prestação de contas já está pronta, mas estávamos segurando pelo fato de termos um débito de R$ 800 mil. Prestaremos contas dos R$ 600 mil da Prefeitura e também do Carnafolia, que também está fechada”, informou o presidente da Liesjho, Dihego Joe Müller. “Vamos expor a real situação do carnaval de Joaçaba”, completou.

 

O presidente antecipou que foram gastos R$ 1,5 milhão para realizar os dois eventos, desfiles das escolas de samba e o Carnafolia. “Conseguimos reduzir os gastos, pois cortamos várias coisas, mas deste valor contamos ainda com R$ 800 mil de dívida”, comentou, ao garantir que todos os fornecedores serão pagos. “Temos até agosto para captar os R$ 2 milhões do projeto da Lei Rouanet, e com a colaboração de empresários e políticos, vamos conseguir viabilizar esses recursos para quitar as dívidas”, analisou.

 

Dihego disse ainda que conseguiu quitar várias dívidas com a receita do Carnafolia, mas o evento teve o lucro reduzido em função da diminuição de público. “No ano passado a capacidade da praça era para sete mil pessoas, mas neste ano, devido ao TAC (Termo de Ajuste de Conduta) com a promotoria, tivemos que reduzir para quatro mil pessoas. Mas mesmo assim tivemos um lucro. O Carnafolia pagou muitas contas da avenida”, revelou. De acordo com ele, o evento arrecadou em torno de R$ 600 mil.

Caco da Rosa


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.