Vendedores de ervas medicinais são detidos por charlatanismo

Pai e filho foram encaminhados para a delegacia de Joaçaba

Por Oeste Mais

25/03/2015 17h30 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Dois homens foram detidos na manhã desta quarta-feira, dia 25, por extorsão e charlatanismo em Joaçaba. Pai e filho, de 55 e 22 anos, estavam em uma caminhonete ToyotaHilux, com placas de Santa Maria (RS), vendendo “ervas medicinais” no Bairro Bela Vista.

Na sexta-feira, dia 20, eles estiveram no Bairro Caetano Branco, onde, segundo vítimas, apontavam problemas, receitavam ervas e prometiam a cura. Uma mulher chegou a comprar três pacotes para ela, a filha e o marido. Ela gastou R$ 660, ou seja, R$ 220,00 cada pacote. “Como não tínhamos o dinheiro em casa, meu marido disse que iria até o banco. Eles foram juntos para se certificar que receberiam”, contou.

Quando uma das mulheres soube que os vendedores estavam novamente em Joaçaba, acionou a Polícia Militar. Os homens foram abordados e conduzidos à delegacia, onde as supostas vítimas compareceram para registrar a ocorrência.

Com os suspeitos a PM encontrou cerca de R$ 200, dois dólares, 22 pesos argentinos e 20 pesos uruguaios, além de uma tabela de pagamentos. Eles apresentavam aos “clientes” uma lista com 64 tipos de doenças, que de acordo com os suspeitos, podiam ser curadas com as ervas.

Na lista eles se rotulavam como professores naturalistas, inclusive com o emblema da Funai (Fundação Nacional do índio). No entanto, nos pacotes que foram vendidos,não havia especificação, como nome do chá, ou doença recomendada.

Dona Margarida Pereira, que tem uma filha com epilepsia, acreditou no poder dos chás e comprou um pacotinho por R$ 220. Ela contou que se arrependeu e tentou devolver, mas eles arrancaram o veículo.

Os suspeitos foram deixados na delegacia, onde o delegado Antônio Lucas Ferreira Pinto deve decidir se serão enquadrados pelos crimes.

Assista abaixo ao relato de uma das mulheres:








Caco da Rosa


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.