Tecnologia desenvolvida em SC vai revolucionar a fabricação de geladeiras

Com compressor que elimina uso de óleos lubrificantes, equipamentos ficarão mais leves, econômicos, silenciosos e conservarão os alimentos por mais tempo

Por Oeste Mais

20/03/2014 12h15 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Há dez anos, a Embraco estudava uma maneira de eliminar o uso de óleo lubrificante em seus compressores (um dos principais componentes responsáveis pela geração de frio dentro de um refrigerador).


A substância sempre foi motivo de preocupação, porque é prejudicial ao meio ambiente, podendo contaminar o solo e as águas se o produto for destacartado de forma incorreta após sua vida útil. Conseguiu.


A empresa é a primeira no mundo a vencer todas as barreiras tecnológicas e lançar um produto que pode ser aplicado em refrigeradores e freezer novos. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, na sede da empresa, em Joinville.


Além da ausência do óleo, o compressor consome menos energia, é mais silencioso (aquele ruído que ouvimos no refrigerador vem do compressor) e ajuda a conservar os alimentos por mais tempo porque há menos oscilação de temperatura no interior do gabinete.


O tamanho mais compacto (e 50% mais leve) e a possibilidade de ser colocado em qualquer posição (os atuais apresentam restrição por causa do óleo) também abrem caminho para o desenvolvimento de refrigeradores com designs inovadores.


O vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen, afirma que não é possível precisar uma data para que refrigeradores equipados com este compressor estejam disponíveis nas lojas.


A empresa mantém negociações com clientes norte-americanos, asiáticos e europeus. Segundo Driessen, a expectativa é de obter o retorno do investimento de aproximadamente US$ 40 milhões em três anos. Ele espera que o produto ocupe uma fatia significativa do faturamento global da companhia.


Projeto mobilizou 100 engenheiros


O desenvolvimento coube à equipe de 100 engenheiros e pesquisadores da fábrica Joinville, onde fica a sede da empresa e o principal centro de pesquisa. A inovação é protegida por 80 patentes em âmbito mundial.


É também na sede da Embraco que fica a linha de montagem-modelo, instalada para servir a aperfeiçoamentos do produto, testes de produção e treinamentos. Mas a produção será feita na fábrica da Embraco no México.


Driessen explica que a unidade está mais próxima do principal mercado consumidor para esse produto, os Estados Unidos. A China não foi escolhida, entre outros motivos, pela distância da cadeia de fornecimento e pelo risco à proteção das informações, mais evidente naquele país, explicou o diretor de pesquisa e desenvolvimento, Ricardo Maciel.


A produção inicial na fábrica mexicana será de 600 mil compressores por ano, mas a operação está preparada para expandir a produção para 1,5 milhão de unidades anuais, conforme a resposta do mercado.


Inspiração na indústria relojoeira


Batizado de Wisemotion, o compressor utiliza novos materiais desenvolvidos especialmente para esta aplicação e cujos detalhes são mantidos em sigilo. São mais de 50% de fornecedores novos e que estão em diferentes lugares do mundo.


O sistema eletrônico inteligente tem partes mecânicas revestidas com uma tecnologia capaz de dispensar o uso de óleos lubrificantes no equipamento. O gás refrigerante, essencial para o funcionamento de qualquer compressor, é quem irá acumular a função de lubrificar os pontos de atrito do sistema.


Para chegar à solução, foram anos pesquisando e buscando conhecimento ao redor do mundo. A Embraco chegou a firmar parceria alguns anos atrás com uma empresa da Nova Zelândia, que também estudava uma solução e chegou a absorver parte de seu conhecimento. Mas os pesquisadores da Embraco continuaram em busca de uma solução superior.


Persistia a questão central: que indústria no mundo utiliza mecanismos mecânicos de precisão, sem lubrificantes e que duram bastante tempo? A resposta veio da indústria relojoeira. As molas introduzidas no mecanismo do compressor sem óleo são apenas um dos exemplos de aplicação bem-sucedida inspirada em uma indústria muito distante, comprovando que a inovação pode vir de qualquer lugar.


Como funciona a nova tecnologia


O compressor com tecnologia Wisemotion dispensa o uso de óleo lubrificante (oil-free), facilitando o descarte do compressor no final do seu ciclo de vida, e utiliza, aproximadamente, 50% menos matéria-prima que os compressores convencionais.


Silencioso O usual barulho de liga e desliga dos refrigeradores tradicionais não é perceptível.


Economia de energia Tem níveis superiores de eficiência energética e com potencial para desenvolver novas soluções. Se aplicado hoje, ele poderia economizar acima de 20% de energia em sistemas de refrigeração, quando comparado aos compressores de alta eficiência energética mais vendidos atualmente no mercado global.


Compacto e ecológico Por ser menor, cerca de 100mm mais baixo do que os compressores atuais _ altura equivalente a um smartphone de 10 cm _, economiza espaço interno no refrigerador. Com isso, os refrigeradores poderão ter uma gaveta adicional de 20 litros para o acondicionamento de produtos. Além disso, ele também é mais econômico na carga de gás refrigerante (indispensável para todos os compressores) em cerca de 20% quando comparado aos equipamentos tradicionais.


Menor risco de contaminação O óleo lubrificante utilizado atualmente dentro de todos os compressores de refrigeração pode contaminar o solo e as águas se o produto for descartado de forma incorreta após o tempo de vida útil.


Melhor conservação Quanto menor a oscilação de temperatura dentro do refrigerador, maior é a conservação dos alimentos


Facilidade para os fabricantes Menor e mais leve, o seu manuseio na linha de montagem é mais fácil. Esses atributos também oferecem mais facilidades no transporte das peças e no armazenamento, beneficiando a cadeia logística. Além disso, há possibilidade de inovar no design dos refrigeradores, já que o compressor é mais compacto e pode ficar em diferentes posições.

A Notícia


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.