Chapecoense fecha acordo de indenização com 20 famílias de vítimas da tragédia

Ao todo, clube foi alvo de 43 ações cíveis após o acidente aéreo na Colômbia

07/05/2019 08:46 - Atualizado em 07/05/2019 08:49



A Chapecoense informou nesta segunda-feira, durante uma reunião com jornalistas, que já fechou acordo de indenização com 20 famílias de vítimas da tragédia aérea na Colômbia, em 29 de novembro de 2016, durante a viagem do time para a decisão da Copa Sul-Americana.

 

O valor gira em torno de R$ 14 milhões e foi parcelado, segundo Paulo Ricardo Magro, diretor financeiro do clube catarinense. Os nomes dos familiares e o parentesco com as vítimas não foi revelado no encontro. No total, a Chape foi alvo de 43 ações cíveis após o acidente e conseguiu o acordo com quase metade.

Acidente ocorreu em 29 de novembro de 2016 (Foto: Agência Reuters)

“Temos 20 acordos encerrados. O que eu digo encerrados não são pagos, mas ajuizados. A Chapecoense vai pagá-los. Isso o departamento jurídico conduz muito bem. Em momento algum a Chapecoense virou as costas para nenhum familiar”, explicou.

 

O avião que transportava a delegação da Chapecoense para a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional caiu na madrugada do dia 29 de novembro de 2016. O acidente causou a morte de 71 pessoas, entre jogadores, dirigentes, funcionários, convidados, jornalistas e membros da tripulação. O zagueiro Neto, o lateral Alan Ruschel e o goleiro Follmann foram os únicos atletas que sobreviveram. Além dele, Rafael Henzel também foi encontrado com vida — o narrador da Rádio Oeste Capital faleceu no fim de março, vítima de infarto enquanto jogava futebol.

 

Responsável pela contratação da aeronave da LaMia, a Chapecoense lida com o ônus dos processos jurídicos. Ao todo, 27 eram trabalhistas e feitos por familiares de ex-jogadores e funcionários. Os outros, que totalizam 43, são cíveis, propostos por parentes de vítimas que não possuíam contrato de trabalho com a equipe, como diretores, jornalistas e convidados.

 

Um dos casos trabalhistas finalizados foi com os familiares do lateral Dener, que morreu aos 25 anos. O clube irá pagar R$ 60 mil por danos morais aos pais do jogador.

 

O prazo para o ingresso de ações trabalhistas terminou em 29 de novembro de 2018, data que marcou os dois anos da tragédia. A exceção, neste caso, é para funcionários e atletas com filhos menores de 18 anos e que só poderão mover processo quando completarem a maioridade.

Do Globo Esporte


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.