Jakson Follmann se despede da Chapecoense

Ex-goleiro era embaixador do time e vai se dedicar à carreira de cantor e palestrante

Por Oeste Mais

19/03/2021 09h08 - Atualizado em 19/03/2021 09h08



Ex-goleiro vai se dedicar à carreira de cantor e palestrante (Foto: Márcio Cunha/ACF)

O ex-goleiro Jakson Follmann se pronunciou nas redes sociais nesta quinta-feira, dia 18, sobre a saída da Chapecoense. Na última terça-feira, ele assinou a rescisão de contrato com o clube, onde foi embaixador por quatro anos.

 

Follmann é o segundo dos três jogadores sobreviventes da tragédia de 2016 a deixar o Verdão do Oeste, restando apenas Neto, que exerce cargo na diretoria – Alan Ruschel se transferiu para o Cruzeiro.

 

“Eu confesso para vocês que está sendo muito difícil para mim, pois é um vínculo muito forte que eu tenho com a instituição, mas, independente do que for acontecer daqui para frente, a história nunca se apagará”, disse Follmann.

 

Jakson chegou na Arena Condá em meados de 2016 e fez parte do elenco campeão da Sul-Americana. Na tragédia de Medellín, o goleiro perdeu parte da perna direita, mas seguiu vinculado ao clube na função de embaixador, onde representou a Chape em eventos ao redor do mundo, como no Prêmio Laureus, e deu palestras. Paralelamente, dedicou-se ao sonho de se tornar cantor e venceu o programa "Popstar", da TV Globo.

 

Neste período, Follmann chegou a fazer cursos de gestão e formou-se na CBF Academy, mas nunca exerceu uma função técnica na diretoria do Verdão. O ex-goleiro teve o contrato encerrado no último dia 23.

 

Confira o depoimento completo:

 

No dia 16 de março eu assinei a rescisão de contrato com a Chapecoense. Contrato que tinha prazo até o dia 23 de fevereiro, onde ambas as partes optaram pela não renovação. Eu confesso para vocês que está sendo muito difícil para mim, pois é um vínculo muito forte que eu tenho com a instituição, mas, independente do que for acontecer daqui para frente, a história nunca se apagará. Hoje não sou mais funcionário do clube, mas o meu carinho, respeito e admiração ao clube e torcida serão eternos. Eu tenho um carinho e paixão por Chapecó também, pois foi aqui que eu me casei, foi aqui que o meu filho nasceu e foi aqui que criei laços de amizade, que é o mais importante pra mim nesse momento. Hoje, sigo minha carreira longe da Chape, mas com a minha viola, o meu microfone, nos palcos cantando e motivando pessoas nas minhas palestras. É um novo ciclo que se inicia na minha vida.

Com informações do Globo Esporte Santa Catarina


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.