Alunos da UFFS de Chapecó protestam contra nomeação de novo reitor

Marcelo Recktenvald esteve em Brasília, na última quarta-feira, para posse no MEC

Por Oeste Mais

06/09/2019 09:01 - Atualizado em 06/09/2019 09:51



Manifestantes se reuniram em frente ao Aeroporto de Chapecó (Foto: Leticia Ferrari/NSC TV)

Estudantes da Universidade Federal da Fronteira Sul estiveram nesta quinta-feira, dia 5, no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso, de Chapecó, para mostrar a indignação da comunidade universitária sobre a posse do novo reitor.

 

Recktenvald foi empossado na quarta-feira, dia 4, em Brasília, e contou com a presença do Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Segundo os alunos da UFFS, a nomeação de Marcelo foi arbitrária. Ele foi o terceiro colocado nas eleições para a reitoria, com um total de 21,4% dos votos.

 

O novo reitor retornou a Chapecó, na última quinta-feira, dia 5, onde os alunos o aguardavam com cartazes e faixas pedindo que Marcelo desistisse do cargo. Os universitários, em carta aberta, afirmam que "sua nomeação arbitrária surgiu a partir de um alinhamento com a política de desmonte do sistema de ensino público".

 

A universidade informou em nota na tarde desta quinta que foi protocolado um pedido de reintegração de posse do prédio da reitoria.

 

Conforme a nota, o pedido foi feito pela equipe de transição da reitoria nomeada. A direção da universidade ainda pede que todos os demais espaços que estejam ocupados sejam liberados.

 

"O pedido dessa medida judicial foi instruído com um relatório circunstanciado acerca da situação fática, com demonstração dos requisitos necessários para a referida medida. O processo está sendo encaminhado pela Procuradoria Federal e em breve terá um desfecho", diz a nota da universidade.

 

Nomeação do Reitor

 

Marcelo Recktenvald, de 44 anos, tomou posse como reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em cerimônia na sede do Ministério da Educação (MEC), em Brasília, na noite de quarta-feira. Ele substitui Jaime Giolo.

 

A nomeação dele, feita pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), foi publicada no Diário Oficial da União na quinta-feira, dia 29. Em entrevista na terça, dia 3, ele falou sobre as primeiras medidas que deve tomar.

 

"A primeira ação será organizar a casa, pacificar o ambiente, conversar com as pessoas que têm suas manifestações e alterar a estrutura da equipe, que cada reitor acaba estabelecendo uma estrutura de confiança da sua gestão", afirmou.

 

Entenda o caso

 

Recktenvald assume o lugar de Jaime Giolo, que ocupava o cargo de reitor eleito da UFFS desde 2015, quando ocorreu o primeiro processo de consulta previa à comunidade universitária e a votação do Conselho Universitário (Consuni). Antes disso, desde 2009, o próprio Giolo estava à frente do cargo como reitor pro tempore, ou seja, que foi designado temporariamente pelo MEC.

 

O processo de escolha de composição da lista tríplice para reitoria da universidade - o segundo em sua história - teve o primeiro turno realizado em 29 de abril deste ano. O processo de consulta prévia contou com quatro chapas inscritas e participação de mais de seis mil pessoas. Recktenvald teve 21,40% do total de votantes, ficando em terceiro lugar.

 

O reitor nomeado por Bolsonaro na sexta não chegou a participar do segundo turno do processo, realizado em 28 de maio. Participaram as duas chapas mais votadas. O resultado foi Anderson André Genro Alves Ribeiro em primeiro lugar, com 54,1%; e Antônio Inácio Andrioli, com 45,9%.

 

A UFFS atualmente tem campi em seis cidades, entre os três estados do Sul. Em Santa Catarina está o maior deles, em Chapecó. No Rio Grande do Sul são três campi, em Passo Fundo, Erechim e Cerro Largo. Há dois também no Paraná, em Laranjeiras do Sul e Realeza.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.