Rede estadual completa um mês de ano letivo com aulas presenciais em mais de 75% das escolas

Retorno era aguardado pela comunidade escolar e foi construído ao longo de 2020

Por Oeste Mais

19/03/2021 08h13



Há um mês, alunos e professores da maioria das escolas estaduais voltaram a se encontrar presencialmente pela primeira vez na sala de aula desde o início da pandemia de Covid-19.

 

O retorno era aguardado pela comunidade escolar e foi construído ao longo de 2020, com a criação do Plano de Contingência para a Educação (PlanCon), investimento em EPIs e capacitação com os professores e gestores.

 

Nesse período, as escolas colocaram em prática os protocolos elaborados em conjunto com a comunidade escolar, com foco no acolhimento dos alunos e na segurança dos estudantes e professores. Em conjunto com a Vigilância Epidemiológica dos municípios, as pessoas com suspeita ou confirmação para Covid-19 foram afastadas para evitar o contágio na escola e permitir a continuidade das aulas presenciais.

 

Até quarta-feira, dia 17, havia registro de 11 escolas, que representam 1,03% entre as 1.065 unidades da rede estadual, com as atividades presenciais suspensas por orientação da Vigilância Epidemiológica. Para manter as atividades, esses alunos e professores passaram temporariamente para o modelo 100% remoto, previsto no planejamento do ano letivo escolar.

 

 

Escolas colocaram em prática os protocolos elaborados em conjunto com a comunidade escolar (Foto: Divulgação)

Maioria das escolas atendendo no modelo misto

 

A Secretaria de Estado da Educação (SED) acompanha a situação de todas as escolas da rede. Os dados compilados até o fim de quarta-feira, 17, indicam que 785 escolas (73,7% da rede) seguem no modelo misto, com alternância entre atividades na escola e em casa.

 

Outras 36 unidades (3,4%) mantêm o ensino no modelo 100% presencial, já que são escolas menores em que é possível atender todos os alunos com distanciamento social.

 

As demais unidades de ensino seguem no modelo 100% remoto, com atividades pela internet ou com materiais impressos. Há 17,3% das escolas que adotaram esse modelo por conta de decretos municipais, 4,6% por conta de infraestrutura ou falta de pessoal e 1,03% por casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 com servidores ou alunos.

 

O levantamento elaborado pela SED, com dados até 16 de março, indica que 126 servidores positivados para Covid-19 estão afastados de suas funções, o que corresponde a 0,36% dos funcionários da rede estadual. A orientação definida em conjunto com a Vigilância Epidemiológica é que os servidores sejam afastados preventivamente do modelo presencial em caso de sinais de síndrome gripal e que alunos com sintomas permaneçam em casa.

 

No encontro, os promotores reforçaram a necessidade de manter as aulas presenciais para cumprir a legislação, pela escola ser um espaço de acolhimento social para crianças em situação de vulnerabilidade e também pela escolha dos pais, que podem optar se os filhos aprenderão pelo modelo presencial ou remoto.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.