Quais são os principais tipos e como combater a dor de cabeça

Cefaleias podem ter origem tensional ou hormonal, por exemplo: veja o que fazer em casos específicos e também recomendações gerais de prevenção.

12/02/2019 15:50 - Atualizado em 12/02/2019 15:50


Classificadas como tortura por muitos que sofrem delas, as dores de cabeça são causadas, em geral, por dois motivos principais, segundo explica à BBC a médica britânica Anne MacGregor, cuja especialidade é justamente a cefaleia.

 

"Na maioria das vezes, elas se devem à tensão acumulada nos músculos ao redor da cabeça", diz. "Ou a mudanças na química do cérebro, que decodifica isso na forma de dor."

 

Tal atividade química no cérebro faz com que algumas pessoas sintam uma dor muito profunda e intensa, as temidas cefaleias.

 

Como há diferentes tipos de dores de cabeça, eles exigem intervenções e medicações distintas. A BBC preparou um informativo, com base em informações fornecidas por MacGregor e pelo NHS, o serviço de saúde pública britânico:

 

Tensional

 

São as dores mais comuns, que geralmente vêm na forma de uma dor constante em ambos os lados da cabeça – como se tivéssemos um elástico apertado em volta dela. Essas dores costumam durar de 30 minutos a várias horas (ou, excepcionalmente, vários dias).

 

Os fatores desencadeantes costumam ser a desidratação, o estresse, a má postura, a falta de sono, a tensão muscular no rosto e a irregularidade no horário das refeições.

 

Mudanças no estilo de vida costumam ajudar a reduzir duração e frequência - por exemplo, com um bom padrão de sono e de alimentação e bastante ingestão de água.

Como há diferentes tipos de dores de cabeça, eles exigem intervenções e medicações distintas (Foto: Divulgação)

Em 'cachos'

 

É um tipo mais raro – e extremamente doloroso – de cefaleia. É chamado assim porque a dor surge em cachos ou ataques agrupados durante um período contínuo que pode durar até três meses.

 

Geralmente acomete os pacientes em uma determinada época do ano (quase sempre a mesma), e depois há um período de remissão, em que as crises desaparecem.

 

Medicamentos comuns como ibuprofeno e paracetamol não costumam ser de grande ajuda nesse tipo de cefaleia. É o caso de consultar um médico, que pode recomendar tratamentos mais específicos e fortes.

 

Enxaqueca

 

As enxaquecas são menos comuns que as dores de cabeça tensionais, mas muito dolorosas e com potencial de interferir nas atividades diárias dos pacientes.

 

Chegam a causar náusea, vômito e uma forte sensibilidade a luz e barulho. O normal é que durem algumas horas, mas às vezes elas podem se prolongar por vários dias.

 

Para aliviá-la (ou evitá-la), há remédios que dispensam receita médica. Mas, se a dor for muito persistente, recomenda-se recorrer a um médico de confiança para avaliar a necessidade de medicação mais forte.

 

Hormonal

 

As mulheres costumam ser mais acometidas por esse tipo de dor, que se deve geralmente a mudanças nos níveis hormonais e está associado ao ciclo menstrual. Alguns métodos contraceptivos, a menopausa e a gravidez costumam trazer consigo dores de cabeça dessa categoria.

 

Controlar os níveis de estresse, manter um padrão regular de sono e não pular nenhuma refeição podem ajudar a reduzir essas dores.

 

Farmacológico

 

Algumas dores de cabeça são efeitos colaterais do uso de alguns tipos de medicamento. Ou até mesmo do uso excessivo de analgésicos. A dor costuma recuar algumas semanas depois de o paciente ter terminado de tomar o medicamento responsável pela dor.

 

Recomendações gerais para evitar e aliviar as dores de cabeça

 

Para tentar evitar qualquer tipo de dor de cabeça, o NHS (o serviço de saúde pública britânico) dá os seguintes conselhos:

 

* Manter-se hidratado com bastante água

* Descansar, principalmente em momentos em que você sentir sintomas de gripe ou falta de energia

* Dentro do possível, evitar situações de estresse

* Praticar esportes, uma vez que exercícios físicos têm um efeito positivo no nosso bem-estar geral

* Ingerir analgésicos se a dor for persistente ou muito intensa. Os mais comuns são paracetamol ou ibuprofeno

* Evitar o álcool, que pode piorar os sintomas

* Não pular refeições, para manter estáveis os níveis de insulina do corpo

* Não forçar a vista: evite passar muito tempo diante de telas

* Não dormir demais, algo que pode intensificar a dor

Do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.