Governo catarinense lança monitoramento inédito para evitar sonegação fiscal nas exportações

Módulo ainda está disponível apenas para auditores do Grupo Especialista Setorial Comércio Exterior e será liberado aos contribuintes nas róximas semanas

Por Oeste Mais

26/06/2019 16:46



O governo de Santa Catarina anunciou nesta quarta-feira, dia 26, o lançamento do Monitoramento Eletrônico das Exportações, por meio do Sistema de Administração Tributária (SAT) da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF).

 

Segundo o governo, o sistema é pioneiro e visa identificar as Notas Fiscais Eletrônicas (NF-es) destinadas ao exterior, cuja mercadoria ainda permanece em território nacional.

 

“Inicialmente, o módulo está disponível apenas para os auditores do Grupo Especialista Setorial Comércio Exterior e, nas próximas semanas, estará liberado aos contribuintes”, explica o secretário da SEF, Paulo Eli.

Porto de Itajaí, no Litoral de Santa Catarina (Foto: Cristiano Estrela/Secom)

As exportações efetivas, imunes ao ICMS, podem gerar créditos tributários referentes ao imposto pago anteriormente nas compras de insumos utilizados na produção da mercadoria exportada.

 

“Agora o auditor fiscal que analisa os pedidos de reserva destes créditos poderá usar os aplicativos do novo sistema para confirmar a legitimidade destes pedidos”, explica o auditor fiscal da SEF, Marcelo Gevaerd da Silva.

 

O sistema também permite detectar eventual sonegação fiscal feita com a emissão de notas fiscais com destino ao exterior no intuito de acobertar vendas sem nota fiscal no território nacional.

 

Desde julho do ano passado, por meio da Declaração Única de Exportação (DU-E), toda exportação é vinculada à emissão de NF-e, cuja saída da mercadoria do país é chancelada pela Receita Federal por meio da averbação do despacho aduaneiro de exportação. Os dados das averbações, assim como os dados das NF-es, são recepcionadas e cruzados eletronicamente pela SAT. 

 

“O sistema de monitoramento, a partir das notas fiscais de exportação, desconta os cancelamentos, devoluções e estornos contábeis das operações para determinar a quantidade de mercadoria a ser exportada”, diz a gerente do SAT, Aline Lúcia Baroni.

 

O sistema confronta a quantidade a ser exportada com a registrada pela Receita Federal. O saldo reflete a quantidade de mercadoria com destino ao exterior que ainda está no país.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.