Brasil abate mais bovinos, suínos e frangos no segundo trimestre, diz IBGE

Carnes desses animais figuram entre os principais produtos de exportação do agronegócio brasileiro

Por Oeste Mais

14/08/2019 14:54



O abate de bois, frangos e suínos cresceu no segundo trimestre na comparação com o mesmo período de 2018, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta quarta-feira, dia 14. As carnes dos três animais figuram entre os principais produtos de exportação do agronegócio brasileiro.

 

A produção de carne bovina no segundo trimestre de 2019 chegou a 8,08 milhões de cabeças abatidas, crescimento de 4,1% na comparação ao mesmo período do ano passado. O IBGE informou ainda a produção de dois milhões de toneladas de carcaças bovinas, alta de 5,5% em relação ao segundo trimestre de 2018.

Abate de bovinos no Brasil cresceu 4,1% na comparação com o segundo trimestre de 2018 (Foto: TVCA)

O abate de frangos cresceu 3,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 1,43 bilhão de animais. A produção de ovos de galinha foi de 930,93 milhões de dúzias, aumento de 2% no comparativo com o segundo trimestre de 2018.

 

O peso acumulado das carcaças de frango foi de 3,35 milhões de toneladas no período, acréscimo de 0,4% frente ao mesmo período de 2018. As exportações de carne de frango do Brasil, maior exportador global, avançaram 5,8% entre janeiro e julho de 2019, segundo a associação que representa o setor, a ABPA.

 

No caso dos suínos, foram abatidas 11,39 milhões de cabeças, alta de 0,7% em relação ao segundo trimestre de 2018. O peso acumulado das carcaças suínas foi de 1,02 milhão toneladas, alta de 4,3% em relação ao mesmo período de 2018.

 

No acumulado do ano, as exportações de carne suína do Brasil alcançaram 414,5 mil toneladas, volume 19,62% maior que o total embarcado entre janeiro e julho do ano passado, segundo dados divulgados pela associação ABPA.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.