70% das propriedades rurais catarinenses utilizam agrotóxicos; índice é o maior do Brasil

Informação faz parte do novo Censo Agro divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira, dia 25

Por Oeste Mais

25/10/2019 15:23 - Atualizado em 25/10/2019 15:23



Nenhum Estado do Brasil tem um percentual maior que Santa Catarina quando o assunto é o uso de agrotóxicos na produção agrícola. A informação faz parte do novo Censo Agro divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira, dia 25, com informações referentes ao ano de 2017. Conforme a pesquisa, 70,7% dos estabelecimentos agrícolas de Santa Catarina utilizam agrotóxicos, enquanto a média no Brasil fica em 33,1%.

 

O crescimento no uso de agrotóxicos também foi notado no Brasil, onde houve um aumento de 20% em relação ao último Censo Agro, de 2006. Em 11 anos, o número de fazendas que declararam usar agrotóxicos cresceu 20% no país, alcançando a marca de 1,7 milhão em 2017.

 

Athos de Almeida Lopes Filho, diretor de cooperativismo e agronegócios da secretaria de Estado de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, faz algumas ressalvas em relação ao dado. Ele aponta que Santa Catarina possui lavouras mais produtivas que os outros Estados do Brasil e uma produção mais técnica, com mais acesso aos agrotóxicos.

 

De acordo com Athos, em contrapartida a pesquisa mostra Santa Catarina é o segundo Estado do Brasil com maior proporção de fazendeiros que recebem orientação técnica, e a taxa de alfabetização do agricultor catarinense é a maior do Brasil. Então mostra que o uso de defensivos aqui não é sem regulação, é bem orientado, são atendidos com assistência.

Em 11 anos, o número de fazendas que declararam usar agrotóxicos cresceu 20% no país (Foto: Felipe Carneiro)

Para a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, há também a questão de cultivos tradicionais e grandes em território catarinense que demandam um uso maior de agrotóxicos, como cebola, maçã, alho, tomate, entre outros. Segundo Edilene, esse número não significa que o catarinense é quem mais consome agrotóxicos.

 

O uso de agrotóxicos na lavoura catarinense foi um dos temas mais polêmicos do ano. Gerou irritação no agronegócio a decisão do governador Carlos Moisés (PSL) de aumentar a tributação de impostos sobre os agrotóxicos, indo na contramão das políticas nacionais do presidente Bolsonaro, do mesmo partido.

 

Em agosto, o governo do Estado se reuniu com diversas entidades e decidiu o plano para os agrotóxicos em Santa Catarina, com a isenção de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para os defensivos,mantida até 31 de dezembro e uma tributação escalonada, de acordo com o potencial agressivo de cada produto ao meio ambiente, a partir de janeiro de 2020.

Com informações do Diário Catarinense


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.