‘Reunião de alinhamento’ é realizada entre governo de SC e Nestlé para instalação de fábrica em Vargeão

Trevo de acesso da BR-282 à fábrica, linhas de transmissão e demanda energética estiveram na pauta

Por Oeste Mais

09/07/2021 20h50



A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE) realizou nesta quinta-feira, dia 8, a primeira reunião de alinhamento de infraestrutura e operacionalização das novas atividades do parque industrial da Nestlé Purina no Brasil. A unidade com investimento bilionário vai se instalar em Vargeão, no Oeste de Santa Catarina.

 

Coordenada pelo secretário da SDE, Luciano Buligon, o encontro contou com a participação de executivos do Grupo Nestlé e da equipe técnica da SDE. Foram apresentadas as prioridades para a implantação da planta, como a instalação de um trevo de acesso da BR-282 à fábrica, linhas de transmissão e demanda energética, além de suporte nas licenças e apoio na capacitação de mão de obra.

 

“Temos todas as condições de contribuir e apoiar no que for preciso para a instalação da empresa. Por meio da InvestSC, daremos os encaminhamentos junto aos órgãos responsáveis, bem como a articulação necessária e apoio à cidade de Vargeão, que receberá a fábrica, e também a articulação com a Amai (Associação Municípios Alto Irani), que reúne os municípios do entorno, do Sine na intermediação do emprego e nas parcerias com as universidades para a capacitação dos profissionais”, disse Buligon.

 

A Relações Institucionais da empresa, Noelle Campos, destacou ainda que o objetivo é iniciar as operações priorizando a igualdade de gênero na unidade, ou seja, que o corpo colaborativo tenha 50% de homens e 50% de mulheres. A previsão é que a fábrica gere 200 empregos diretos e 1,8 mil indiretos.

 

A unidade industrial que será instalada em três fases é voltada à produção de alimento para cães e gatos. O Brasil é o segundo maior mercado do mundo em relação ao número de cães e gatos per capta (por 1.000 pessoas), perdendo apenas para os Estados Unidos. Os dados são da Abinpet e Euromonitor.

 

Zero destinação para aterros sanitários

 

A nova planta será construída já considerando política de zero destinação para aterros sanitários, projetos de reuso de água resultantes do tratamento de efluentes industriais, uso crescente de fontes renováveis e energia.

 

Na primeira fase será instalada uma linha de alimentos úmidos (wet) de tecnologia avançada, única e patenteada. O parque industrial terá a estrutura dimensionada para contemplar outras fases de ampliação e instalação de mais linhas de produção de alimentos úmidos, secos e outras tecnologias da indústria de petfood.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.