Governo investe R$ 24 milhões para incentivar o cultivo de grãos em Santa Catarina

Intenção é diminuir deficit do grão, trazendo mais competitividade para as agroindústrias instaladas no estado e mais renda ao produtor rural

Por Oeste Mais

17/03/2021 09h25 - Atualizado em 17/03/2021 09h25



Santa Catarina quer ampliar a produção de grãos para abastecer o setor produtivo de carnes. O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, irá investir R$ 24 milhões para incentivar o cultivo de milho e cereais de inverno, trazendo mais competitividade para o agronegócio catarinense.

 

"O setor produtivo de Santa Catarina é extremamente eficiente, tanto que 30% do nosso PIB e 70% das nossas exportações têm origem no agronegócio. Para apoiar a produção catarinense, nós ampliamos o Programa Terra Boa, que possibilita a distribuição de sementes de milho de alta produtividade. Além disso, seguimos investindo em energia elétrica para o meio rural e na melhoria de infraestrutura para escoar a produção, dar mais agilidade e otimizar a logística em nosso estado", destaca o governador Carlos Moisés.

 

Com o Programa Terra Boa, o Governo do Estado irá apoiar a aquisição de 200 mil sacas de semente de milho em todo o estado. Serão R$ 23 milhões em recursos para disponibilizar sementes de médio a altíssimo valor genético, que geram um rendimento maior por hectare plantado.

 

A intenção é diminuir o deficit do grão em Santa Catarina, trazendo mais competitividade para as agroindústrias instaladas no estado e mais renda ao produtor rural.

 

Quebra na safra de milho em Santa Catarina

 

Em Santa Catarina,  a estiagem prolongada e a cigarrinha do milho contribuíram para uma redução de 20% na safra do grão. O estado espera colher 2,2 milhões de toneladas e importar mais de cinco milhões de toneladas de milho em 2021. Com a alta nos preços dos insumos, os pecuaristas catarinenses sofrem com o aumento no custo de produção.

 

O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Júnior, explica que o milho responde por 40% do custo final de produção das aves e a cotação do grão deixa o setor em um momento crítico.

 

"Nós temos que buscar alternativas para que possamos superar esse momento. O setor não suporta toda essa pressão de custos somada à alta da energia elétrica e do combustível. A iniciativa privada e o setor público têm buscado, juntos, alternativas urgentes para que possamos entrar em uma situação de equilíbrio".

 

Em sua fala, a vice-governadora Daniela Reihner destacou os grandes desafios do setor produtivo e também a importância  das ações do Governo do Estado para fomentar o aumento na produção. "Acompanho de forma muito próxima os pontos levantados no Fórum como fundamentais para o crescimento de mercado da proteína animal em Santa Catarina e entendo que a infraestrutura do Estado precisa acompanhar a capacidade produtiva catarinense. O investimento em logística será determinante para alcançarmos o abastecimento necessário de grãos para os animais", declarou.

 

A Secretaria da Agricultura concentra seus esforços também na busca de alternativas para reduzir a dependência de milho e diminuir os custos de produção. A intenção é reforçar o apoio para o plantio de trigo, triticale e cevada no estado.

 

Produção de cereais de inverno

 

Santa Catarina já desenvolve um Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, que pretende ampliar a área plantada com esses grãos no estado.  Será investido R$ 1 milhão em pesquisas nessa área, em uma parceria entre Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e Epagri.

 

Segundo o chefe-geral da Empraba Trigo, Osvaldo Vasconcelos Vieira, a região Sul do Brasil tem a oportunidade de abrir uma nova fronteira agrícola: a safra de inverno. "Cultivamos apenas 2,5 milhões de hectares no inverno, numa área disponível de 14 milhões de hectares de terra disponíveis em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Temos uma grande oportunidade de desenvolver essa estrutura que já existe e que é do conhecimento do produtor".

 

Em Santa Catarina a área potencial para a produção de trigo, triticale, aveia e cevada é de 600 mil hectares e, com o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, os produtores contam um subsídio do Governo do Estado por hectare plantado.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.