Exportações de carne suína superam desempenho de 2019 no Estado

Em nove meses, o Estado já superou o desempenho de todo ano passado e espera chegar a US$ 1 bilhão de faturamento até dezembro

Por Oeste Mais

10/11/2020 08h27



Santa Catarina segue batendo recordes nas exportações de carne suína. Em nove meses, o Estado já superou o desempenho de todo ano passado e espera chegar a US$ 1 bilhão de faturamento até dezembro. Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

 

De janeiro a outubro deste ano, Santa Catarina embarcou 435,5 mil toneladas de carne suína para 67 países. O valor gerado com as exportações já passa de US$ 963,6 milhões, um aumento de 38,4% em relação ao mesmo período de 2019.

 

A China segue como o maior mercado para a suinocultura catarinense, responsável por 55% do faturamento total com os embarques ao longo de 2020. O Estado vem ampliando também as vendas para outros países, como os Estados Unidos (+61%) e o Japão (+129,4), considerados os mais exigentes do mundo.

 

Resultados em outubro

 

No último mês, Santa Catarina exportou 46,4 mil toneladas de carne suína, faturando mais de US$ 107,9 milhões - um aumento de 46,8% em comparação a outubro de 2019.

 

Segundo o analista da Epagri/Cepa, Alexandre Giehl, praticamente todos os principais mercados ampliaram suas compras. "Em termos de valor, as exportações para a Argentina obtiveram seu melhor resultado desde janeiro de 2019, o que pode indicar uma recuperação dos embarques para aquele país. Vale destacar que, até o ano passado, a Argentina estava entre os quatro maiores destinos da carne suína catarinense", explica.

 

Diferenciais da produção catarinense

 

Maior produtor nacional de carne suína, Santa Catarina tem um grande diferencial por conta do seu status sanitário diferenciado, que abre as portas para os mercados mais exigentes do mundo. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), em parceria com a iniciativa privada e os produtores, mantém um rígido controle das fronteiras e do rebanho catarinense.

 

O Estado é o único do país reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que demonstra um cuidado extremo com a sanidade animal e é algo extremamente valorizado pelos importadores de carne. Além disso, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul representam a zona livre de peste suína clássica.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.