Empresário de Joaçaba usa criatividade para driblar crise e continuar ativo

Ronaldo Faro é sócio-proprietário de empresas do ramo infantil e relata que situação atual não é boa

Por Kiane Berté

24/07/2020 10h25 - Atualizado em 24/07/2020 11h17



Empresa de Ronaldo Faro precisou se reinventar para driblar a crise (Fotos: Arquivo pessoal)

Diante dos efeitos da pandemia do coronavírus, muitas empresas enfrentam diminuição da procura de produtos e serviços e uma consequente queda no faturamento.

 

Por outro lado, mesmo com a preocupação da crise nos negócios, há empreendedores que enxergam no momento uma oportunidade de divulgação e ampliação dos negócios. E esse foi o caso de Ronaldo Faro, sócio-proprietário de duas empresas de entretenimento infantil da região sul do país.

 

Segundo ele, desde a criação da primeira empresa, 'Faro Eventos', em 2006, nada parecido tinha acontecido. Esta, que trabalha com animação de festas, shows infantis e locações de brinquedos, teve todos os eventos cancelados com a chegada da pandemia.

 

Devido a isso, a empresa de Ronaldo e Wilson Frozza, precisou se reinventar para poder continuar os trabalhos. Eles criaram kits recreativos para vender para os clientes, que consiste em materiais para que as crianças possam brincar em casa, como KITs de peças de gesso, com slime, em MDF, quebra cabeça, entre outros. Apesar da nova ideia de negócio, a venda destes produtos ainda não os mantém em pé.

 

“Para nós está muito complicado, pois temos uma estrutura a manter, temos funcionários que dependem de nós. Jamais poderíamos imaginar que todo nosso esforço de 14 anos iria ser abalado em apenas quatro meses”, desabafa o empresário, que precisou demitir seis dos oito funcionários que tinha.

 

Ronaldo explica que o trabalho está cada vez mais difícil e que a situação vem ficando pior a cada dia. “O que nos ajuda a manter em pé são as crianças, recebemos muitas mensagens de carinho a todo o momento. Estamos morrendo de saudades dos nossos baixinhos, do abraço, das brincadeiras e do sorriso verdadeiro”, diz.

Novos métodos estão sendo usados nas empresas (Fotos: Arquivo pessoal)

Segunda empresa em crise

 

Além da ‘Faro Eventos’, Ronaldo é proprietário da 'Zig Zag Zah', também do ramo de entretenimento infantil, que foi fundada em 2011 no município de Joaçaba, no Oeste.

 

A segunda empresa também teve todas as festas canceladas. E por se tratar de um parque infantil, a dificuldade é ainda maior, pois são 900m² de estrutura que precisam ser mantidos, além de funcionários e impostos que precisam ser pagos.

 

“As despesas são grandes e não temos eventos para custear. Única renda que estamos tendo é que conseguimos abrir o parque conforme portaria do governo do estado. Estamos seguindo todo o protocolo de segurança para atender as crianças com bastante tranquilidade”, reforça Ronaldo.

 

O parque está funcionando com a capacidade bem reduzida de crianças e mesmo estando aberto e seguindo os protocolos, o empresário afirma que está sendo difícil conseguir o número máximo de clientes, como permitido pela portaria. “Sabemos que os pais estão muito preocupados com a situação e tem bastante medo de trazer as crianças para o parque”.

 

Ronaldo pede para os que os pais façam a visita ao local e reforça que a limpeza está sendo feita de maneira correta. Além disso, álcool está sendo utilizado e disponibilizado em todos os ambientes, até mesmo dentro dos brinquedos.

 

“Fazemos medição de temperatura, as crianças brincam individualmente, cada criança tem seu espaço reservado para o lanche e disponibilizamos todos os EPI’s para os acompanhantes”, explica Ronaldo. “Estamos tentando sobreviver, pois esse Parque sempre foi o nosso sonho. No nosso trabalho existe muito amor envolvido. Realmente fazemos o que gostamos. Toda minha equipe cuida das crianças com muito zelo e carinho, é como se fossem nossos filhos”, finaliza.








COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.