Badesc libera primeiras operações de crédito de linha emergencial

Linha de crédito contará com R$ 50 milhões e, desse total, aproximadamente R$ 500 mil já estão com as empresas

Por Oeste Mais

16/05/2020 09h24 - Atualizado em 16/05/2020 09h24


A Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (Badesc) fez as primeiras liberações no início desta semana da Linha Badesc Emergencial, que possui subsídio do Governo do Estado. A linha de crédito contará com R$ 50 milhões e, desse total, aproximadamente R$ 500 mil já estão com as empresas. A primeira liberação de recursos ocorreu oito dias após a publicação de uma lei que autoriza o subsídio econômico desse recurso emergencial. A notícia foi dada pelo governador Carlos Moisés em um pronunciamento no fim da tarde desta sexta-feira, dia 15.

 

Carlos Moisés destacou que a liberação do crédito é fundamental para a retomada da economia em meio à crise provocada pela pandemia. Ele também lembrou o estado mantém a menor taxa de desemprego do país, conforme divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mais cedo nesta sexta-feira.

 

“Nosso foco está na manutenção dos empregos. Em um momento como esse, é fundamental cuidar das pessoas. O Estado precisa estar presente. A qualidade do empreendedor catarinense é muito alta e tenho certeza que Santa Catarina vai sair mais forte dessa pandemia”, afirmou o governador.

 

O presidente do Badesc, Eduardo Alexandre Corrêa de Machado, lembrou que as primeiras liberações de crédito são importantes, porém a instituição já trabalha na ampliação dos valores disponibilizados.

 

“Estamos trabalhando para ampliar o crédito aos catarinenses. Nós entendemos o momento e sabemos da importância desse fomento. Nosso foco está em ampliar as fontes desses recursos para possibilitar uma recuperação mais rápida da economia”, comentou Eduardo.

 

Machado destacou que em quase duas semanas foram enviados 52 contratos (R$ 5,9 milhões); 114 propostas estão em fase de contratação (R$ 13,1 milhões); 181 solicitações estão em análise (R$ 17,7 milhões) e outras 159 propostas, que totalizam R$ 17,4 milhões, necessitam ajustes por parte dos empresários para prosseguimento. Os indeferimentos somam 82 propostas que não cumpriram regras da linha. O levantamento é do dia 14 de maio.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.