Obra da Havan é paralisada pela Prefeitura de Joaçaba por falta de alvará de construção

Estrutura só poderá continuar a ser erguida após empresa regularizar a situação junto ao município

Por Redação Oeste Mais

12/09/2017 09h04 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



A empresa Havan Lojas de Departamentos Ltda, que está sendo construída na Rua Marta Lindner Wieser, no Bairro Boa Vista em Joaçaba, teve as obras paralisadas por falta de um alvará de construção, segundo noticiou nesta segunda-feira, dia 11, a Rádio Catarinense.

 

A empresa foi notificada pelo Setor de Obras e Posturas da Prefeitura de Joaçaba por não apresentar o Alvará de Construção. O documento emitido pelo município indica que a Havan foi intimada a regularizar a situação, com a obra paralisada imediatamente até que o trâmite seja resolvido.

 

A construção da Havan em Joaçaba foi anunciada ainda no dia 18 de maio deste ano pelo empresário Luciano Hang, dono da rede. Ainda conforme a Rádio Catarinense, a estrutura será padrão, contando com salas de cinema, praças de alimentação e lojas.

 

Empresa contesta

 

O dono da Havan se manifestou na manhã desta terça-feira, dia 12, sobre o caso. “Lamentavelmente, colaboradores da Prefeitura, usando da sua função, sentam em cima dos processos como se deles fossem donos e liberam quando querem”, disse Luciano Hang.

Documento de interdição emitido pela Prefeitura de Joaçaba (Foto: Reprodução/Rádio Catarinense)

“Estamos muito tristes porque nosso desejo era entregar essa obra nos próximos meses para toda a população de Joaçaba e região. Acho que a sociedade tem que se revoltar com esses absurdos e burocracias, porque todos os dias a gente fala da burocracia, mas nós aceitamos que os burocratas façam da nossa vida um verdadeiro inferno”, disse ainda o proprietário da empresa.

 

Reivindicações

 

A imposição da administração para que a obra tenha 70 banheiros é um dos entraves na construção, segundo o proprietário da Havan. Luciano afirmou que tem hoje 100 lojas espalhadas pelo Brasil e quem sabe quantos banheiros serão necessários é o lojista. “Isso é um absurdo, através da metragem por metro quadrado, definir o número de banheiros. Quer dizer, isso nada mais é do que pessoas que não têm o que fazer na vida e ficam o dia inteiro pensando em fazer algo para prejudicar a vida dos outros. Coisas dessa natureza nunca nos foram pedido em nenhum outro lugar do mundo”, contestou.

 

O empresário também deixou claro que se essa situação perdurar por muito tempo, a construção da Havan em Joaçaba poderá não ser concluída dentro do prazo estipulado no início da obra, ou seja, no início do mês de dezembro deste ano. “Se a situação continuar vou parar a obra e tirar as equipes daí e continuar obras em outras cidades do país”, garantiu.

 

“Deverei passar a inauguração da obra de Joaçaba para o final do ano que vem, ou seja, 2018. E se continuarem a encher a minha paciência, é dois toques para que eu tire a obra. Afinal de contas, existem várias cidades no Brasil e inclusive vizinhas a Joaçaba que querem a Havan. E se for o caso, nós iremos para outro lugar. Queremos trazer o bem para a sociedade e a alegria para a cidade. Não estamos fazendo o mal para ninguém. Estamos fazendo sim o mal para esse burocrata que tem na Prefeitura”, finalizou Luciano Hang.

 

Prefeitura se manifesta

 

O procurador jurídico do município, Maikel Patrzykot, concedeu uma entrevista coletiva no final da manhã desta terça-feira e falou sobre o embargo da Havan. Ele explicou que assim que a empresa encerrou as escavações no local, foi mantido contato visando a regularização da obra. A empresa foi notificada na semana passada e o embargo aconteceu por falta de alvará de construção, que deverá ser emitido no decorrer desta semana, já que o projeto atendeu a todas as questões exigidas pela Prefeitura.

 

Quanto ao embargo, o procurador explicou que é procedimento legal da Prefeitura, adotado para todo tipo de obra. Ele negou que o embargo esteja relacionado ao número de banheiros. A maior dificuldade quanto à emissão do alvará está relacionada à questão da lei de acessibilidade. A obra deverá ser retomada no final desta semana.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.