Ministério Público de Contas pede que 17 cidades evitem gastos com carnaval

Alguns municípios cancelaram os eventos, mas outros confirmam a realização

Por Redação Oeste Mais

15/02/2017 10h49 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Prefeitura de Itá vai investir quase R$ 500 mil no carnaval deste ano (Foto: Divulgação)

Dezessete municípios de Santa Catarina receberam uma notificação do Ministério Público de Contas (MPTC) para evitar gastar dinheiro público com o carnaval. O órgão quer que os prefeitos analisem a situação financeira das prefeituras. Desfiles foram cancelados em pelo menos cinco cidades.

 

O MPTC recomenda que a prefeitura que estiver enfrentando qualquer tipo de dificuldade financeira evite gastar com o carnaval. "Não se está aqui o Ministério Público de Contas proibindo a realização do carnaval. Não é isso. Nós queremos que cada gestor analise a situação financeira do município e verifique se existe realmente ou não possibilidade de gastar com o carnaval", explicou a procuradora Cibelly Farias Caleffi.

 

Um dos municípios que recebeu a recomendação foi Itá, no Oeste catarinense. Na cidade de 6,3 mil habitantes, a Prefeitura vai investir quase R$ 500 mil na festa. O secretário de Turismo de Itá, Adriano Stadtlober, disse que o investimento vale a pena. "A gente movimenta hotéis, movimenta pousadas, farmácias, supermercados. Com certeza, traz retorno para o município".

 

O Ministério Público de Contas explicou que a escolha é de cada prefeitura, assim como a responsabilidade de fechar as contas. "Se o dinheiro público está sendo gasto com festas e não com serviços essenciais, essa despesa não pode ser considerada legítima, ela pode ser questionada", disse a procuradora.

 

Além de Itá, também receberam a notificação do MPTC os municípios de Balneário Camboriú, Blumenau, Bombinhas, Criciúma, Florianópolis, Imbituba, Itajaí, Itapema, Joaçaba, Joinville, Laguna, Palhoça, Porto Belo, São Francisco do Sul, São José, Tubarão e Navegantes.

Com informações do G1/SC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.