Acumulado do ano do FPM fecha maio com 10,23% de queda real

Números ainda podem piorar e Fecam orienta gestores a terem cautela

Por Oeste Mais

30/05/2016 16h20 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Apesar de apresentar uma pequena melhora em relação a abril, o cenário dos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) continua desanimador. Nesta segunda-feira, dia 30, os municípios receberam a terceira e última parcela referente ao FPM de maio. A soma das três parcelas do mês, considerando a inflação do período (IPCA 9,28%), contabiliza uma perda de 2,71% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

No acumulado do ano a situação é ainda pior. Com o montante depositado nesta segunda, o acumulado do ano chega a uma perda real de 10,23%, ou seja, são mais de R$ 161 milhões que os municípios do estado estão deixando de receber. Mesmo sem considerar a inflação, o cenário ainda é de perdas. Em valores nominais há uma queda de 1,90% nos recursos repassados neste ano em relação a 2015.

 

Os municípios catarinenses receberam em valor bruto R$ 90.998.159,94. Na conta, descontado os valores referentes ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), os municípios terão disponibilizados R$ 71.888.546,47.

 

Ainda pode piorar

 

“A previsão da Secretaria do Tesouro Nacional aponta para o mês de junho uma redução de 14% na arrecadação nacional do Imposto de Renda e Imposto sobre Produtos Industrializados (base do FPM), apontando que o fundo deve registrar nova queda no próximo mês”, alerta o economista da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), Alison Fiuza. A entidade municipalista orienta que os gestores tenham cautela.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.