Irmã Dulce se torna a primeira santa brasileira ao ser canonizada pelo Papa Francisco

Baiana passa a se chamar Santa Dulce dos Pobres após cerimônia realizada no Vaticano

Por Oeste Mais

13/10/2019 14:42 - Atualizado em 13/10/2019 14:42



Imagem de Santa Dulce dos Pobres na fachada da Basílica de São Pedro durante a cerimônia de canonização (Foto: Reprodução/TV Globo)

A Irmã Dulce foi canonizada neste domingo, dia 13, pelo Vaticano, tornando-se a primeira santa brasileira. Santa Dulce dos Pobres é como ela passa a ser chamada depois da cerimônia na Praça de São Pedro, no Vaticano, lotada de fiéis.

 

A santa, conhecida popularmente como Anjo Bom da Bahia, foi uma das religiosas mais populares do Brasil graças ao trabalho social prestado aos mais pobres e necessitados, principalmente na Bahia.

 

O Vaticano considera que Santa Dulce dos Pobres é a primeira santa brasileira. Embora outras brasileiras e uma religiosa que atuou no país tenham sido canonizadas pela Igreja Católica anteriormente, irmã Dulce é a primeira mulher nascida no Brasil que teve milagres reconhecidos.

Papa Francisco celebra a missa de canonização na Praça de São Pedro, no Vaticano (Foto: Alberto Pizzoli/AFP)

Outros quatro beatos, de diferentes nacionalidades, também foram canonizados pelo Papa Francisco às 10h34 (5h34 no horário de Brasília) deste domingo. De acordo com o Vaticano, 50 mil pessoas participaram da cerimônia.

 

A agora Santa Dulce dos Pobres nasceu no dia 26 de maio de 1914, em Salvador (BA). Aos 13 anos ela acolhia mendigos e doentes na casa onde morava com o pai e os irmãos. A vida religiosa começou aos 18 anos, quando ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Com 19 anos ela recebeu o hábito de freira. A morte ocorreu em 13 de março de 1992, em Salvador.

Praça de São Pedro, no Vaticano, lotada de fiéis antes do início da missa de canonização de Irmã Dulce (Foto: Reprodução/GloboNews)

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.